Obesidade e doenças da ansiedade podem encontrar explicação no intestino

Obesidade pode estar relacionada e ser influenciada pelas alterações do ecossistema microbiano
4 de junho de 2014 - 11h40



A obesidade, a doença celíaca e outras patologias até agora associadas a stress ou ansiedade podem vir a ser explicadas com alterações no ecossistema de micróbios do intestino humano.






“Muitas das perturbações do nosso organismo que têm sido atribuídas a fatores como o ambiente, os hábitos de vida ou o stress são muito mais influenciadas pelo ambiente microbiológico do tubo digestivo e não tanto pelos fatores a que atribuíamos responsabilidade”, explicou à Lusa o presidente da Sociedade de Gastrenterologia, Leopoldo Matos.



Até a obesidade pode estar relacionada e ser influenciada pelas alterações do ecossistema microbiano que habita o intestino humano – a microbiota.



Modificações na micorbiota estão atualmente a motivar a curiosidade e investigação da comunidade científica e surgem como estando cada vez mais associadas a distúrbios intestinais como a doença inflamatória do intestino, doença celíaca ou doenças metabólicas.



Na Semana Digestiva que hoje arranca, as doenças do fígado são outros dos assuntos em destaque, em particular a nova medicação contra a hepatite C.



O presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia frisou que os novos fármacos “garantem, pela primeira vez, uma eficácia muito perto de 100%, o que significa a erradicação do vírus do organismo infetado”.



Outra das caraterísticas da nova medicação é a ausência de efeitos secundários significativos.



Medicamento à espera de aprovação



A autoridade do medicamento em Portugal ainda não aprovou o uso do novo fármaco para a hepatite C, que tem sido reclamado de forma insistente pelas associações de doentes e até pela Ordem dos Médicos.

Comentários