Novo fármaco permite que celíacos comam pizza e bebam cerveja

Um medicamento natural desenvolvido pela Universidade de Alberta, no Canadá, pode vir a retirar o pão, as massas ou a cerveja da lista de proibições dos intolerantes ao glúten.

Hoon Sunwoo, professor daquela instituição, criou um medicamento cujo principal ingrediente é a gema de ovo de galinha, que previne a absorção da gliadina, um composto do glúten que as pessoas com doença celíaca - uma patologia autoimune - têm dificuldade em digerir.

"Este suplemento cola-se ao glúten que se encontra no estômago e ajuda a neutralizá-lo, defendendo o intestino e limitando os danos causados pela gliadina", explica Sunwoo em comunicado.

"A nossa esperança é que esta solução possa melhorar a qualidade de vida dos pacientes com doença celíaca e intolerância ao glúten", acrescenta o investigador.

A pílula inventada por Sunwoo deve ser ingerida cinco minutos antes da ingestão de alimentos com glúten e permite um hiato de duas horas sem as habituais restrições alimentares do doente celíaco.

Hoon Sunwoo, cientista da Universidade de Alberta, Canadá

Quem sofre de intolerância ao glúten tem sintomas como anemia, dores de cabeça, inflamação e fadiga crónica. O glúten, uma proteína encontrada no trigo, centeio e cevada, entre outros alimentos, é um agente de ligação usado de forma abrangente na indústria alimentar.

Sunwoo decidiu estudar a intolerância ao glúten quando descobriu que um amigo e toda a sua família sofriam de doença celíaca.

Este comprimido não se trata de uma cura nem uma solução a longo-termo, é apenas um meio para melhorar a qualidade de vida dos celíacos, explica o cientista.

O próximo passo é a realização de um ensaio clínico em 2016 para aferir a eficácia do fármaco. Depois disso, o suplemento pode chegar ao mercado dentro de três anos, havendo já parcerias com três empresas em curso.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários