Médicos do Mundo vai prestar cuidados de saúde a idosos isolados

Organização não governamental assina protocolo com o município Reguengos de Monsaraz

«A organização Médicos do Mundo vai assegurar intervenção social e prestar cuidados de saúde a idosos do concelho de Reguengos de Monsaraz, a partir dos 65 anos e residentes em locais mais afastados dos centros urbanos.

O projeto intitula-se “Montes Isolados – concelho de Reguengos de Monsaraz” e vai “partir” para o terreno graças a um protocolo entre o município e a organização não-governamental (ONG) Médicos do Mundo, divulgou hoje a câmara municipal alentejana.

O objetivo é prestar cuidados de saúde e realizar intervenção social ao domicílio a idosos, a partir dos 65 anos, que residam em locais mais afastados de centros urbanos e que, por isso, não podem deslocar-se facilmente a unidades fixas de saúde.

Segundo a autarquia, este apoio aos habitantes mais velhos e isolados do concelho vai ser assegurado através da Unidade Móvel de Saúde da Médicos do Mundo.

A equipa, para o efeito, além de ser acompanhada por militares da GNR, vai integrar dois profissionais de saúde da ONG, que estão “habilitados a proceder ao apoio social e de saúde”, e um técnico do município especializado na área social.

No âmbito desta iniciativa, revelou também a câmara municipal, vai ser efetuado um levantamento sistemático das condições sociais e de saúde dos idosos que vivem em montes isolados.

Em simultâneo, continuou, vai ser realizada “uma campanha de educação para a saúde personalizada, através do aconselhamento individual, a casais ou em família, com base nas necessidades identificadas antes e durante o projeto”.

A título de exemplo, a campanha vai abranger áreas como a aquisição de estilos de vida saudáveis, adesão a ações de vacinação, apoio psicossocial e ações de rastreio, prevenção e despiste de problemas de saúde.

“Desta forma, contribui-se para que os idosos façam uma melhor gestão da sua saúde”, informando-se também os beneficiários “sobre as valências sociais de que podem usufruir” e criando-se “um suporte de informação que pode ajudar a organizar o apoio a prestar pelas entidades locais”, realçou o município.

A criação de redes locais informais nas áreas da saúde, social e segurança, direcionadas para as necessidades dos idosos que vivem isolados em meio rural e que assim passam a estar referenciados, é outro dos efeitos práticos do projeto.

Estas redes informais, referiu a autarquia, vão permitir aumentar a eficiência da resposta em caso de emergência, pois, estando os idosos sinalizados, “podem ser alvo de visitas mais regulares”.

“Vai existir também partilha de recursos, pois, uma visita da GNR pode servir para recolher dados que a ação social ou o centro de Saúde necessitem, evitando a deslocação do idoso ou do técnico”, enfatizou a câmara.

14 de dezembro de 2012

@Lusa


Comentários