Investigadores portugueses ganham bolsas de 740 mil euros para estudos na área médica

Alexandra Gonçalves, Francisco Beça e Mário Santos têm três projetos na área das ciências médicas
27 de maio de 2013 - 12h02



Três investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (UP) ganharam bolsas da Harvard Medical School no total de 740 mil euros para desenvolverem estudos na área cardiovascular e cancro da mama, informou hoje fonte da UP.



“Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) vence todas as bolsas “Harvard Medical School Portugal. No total a FMUP angariou 740 mil euros para financiar dois projetos na área cardiovascular e uma investigação sobre cancro da mama”, lê-se na nota de imprensa enviada à comunicação social.



Alexandra Gonçalves, investigadora da Unidade de Investigação e Desenvolvimento Cardiovascular da FMUP arrecadou 400 mil euros para um projeto sénior.



Francisco Beça, investigador do Departamento de Patologia e Oncologia da FMUP, angariou 200 mil euros para financiar o projeto na área do cancro da mama.



O terceiro bolseiro, Mário Santos, investigador do Departamento de Fisiologia e Cirurgia Cardiotorácica da FMUP e médico cardiologista do Centro Hospitalar do Porto, angariou 140 mil euros para o projeto denominado "O impacto do exercício de alta intensidade em doentes com cardiopatia isquémica - um ensaio clínico randomizado".



A investigação de Mário Santos pretende avaliar o impacto cardiovascular e compreender os mecanismos subjacentes a diferentes programas de exercício físico em doentes que tiveram um enfarte agudo do miocárdio.



O jovem médico Francisco Beça vai poder desenvolver a sua investigação, nos próximos dois anos, no Dana-Farber Cancer Institute, sob a tutela de Kornelia Polyak, uma das mais consagradas figuras da ciência na área do cancro, a nível mundial.



O projeto de Francisco Beça vai incidir sobre os diversos tumores e as possíveis formas de melhorar os tratamentos disponíveis, explica a UP, no comunicado.



A investigadora Alexandra Gonçalves vai, por seu turno, passar dois anos na Harvard Medical School para desenvolver conhecimentos em investigação clínica e imagem cardiovascular, estudando as modalidades de tratamento da estenose aórtica, uma temática cuja comunidade cardiológica internacional dá grande atenção.



O acordo de cooperação entre Portugal e a Harvard Medical School, assinado pelo Governo de Portugal, tem como objetivo a modernização e a melhoria da qualidade da medicina em Portugal.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários