Investigadores do Porto estudam infertilidade masculina para encontrar tratamento

Investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), do Porto, estão a desenvolver um trabalho que visa a produção de um fármaco para a infertilidade masculina, anunciou hoje fonte daquela instituição.
créditos: pixabay

Os autores da investigação, a que a Lusa teve hoje acesso, referem que a maioria dos casos de infertilidade masculina tem causa desconhecida, pelo que os resultados que esta investigação está a produzir “têm elevada relevância e podem ser a porta de entrada para descobrir um caminho que leve ao tratamento”.

Os investigadores descobriram o papel de uma molécula central para a fertilidade do homem que, quando desregulada, provoca infertilidade masculina.

Os primeiros resultados deste estudo foram publicados na revista especializada Fertility and Sterility e os investigadores foram agora convidados a desenvolver o conceito na revista Trends in Endocrinology and Metabolism, num artigo designado “Papel emergente da molécula mTOR na fertilidade masculina”.

Depois de perceberem a ação da molécula mTOR como reguladora central do metabolismo das células do sistema reprodutor masculino, os investigadores estão nesta fase “a tentar perceber quais os mecanismos subjacentes à sua ação, de forma a poderem desenvolver uma molécula que regule a ação do mTOR, através da produção de um fármaco que permita o tratamento da infertilidade masculina”.

O estudo foi iniciado no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), que posteriormente estabeleceu uma parceria internacional, com o Population Council’s Center for Biomedical Research, do Rockefeller Center (EUA), de forma “a aumentar e potenciar a capacidade de desenvolvimento da investigação”, esclarece o ICBAS, em comunicado.

O investigador do ICBAS Marco G. Alves lidera este estudo, que conta com a participação de Pedro Fontes Oliveira, professor no ICBAS e investigador no i3S, e ainda de um aluno que se encontra nos EUA a realizar o doutoramento nesta área com a colaboração dos investigadores do Rockefeller Center.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários