Investigação portuguesa demonstra que o consumo de azeite melhora a saúde do coração

Vinte mililitros de azeite por dia, consumidos durante seis semanas, são quanto basta para provocar um decréscimo de biomarcadores característicos da doença coronária.

A conclusão é revelada pelo projeto pan-europeu “Azeite+Global”, que integrou cientistas portugueses, escoceses e alemães, tendo sido liderado por investigadores do iBET - Instituto de Biologia Experimental Tecnológica – em colaboração com a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, naquele que é o primeiro estudo que avaliou o efeito de um alimento ao nível de biomarcadores de natureza proteica característicos de doença.

"A integração de azeite na alimentação diária pode ter um impacto importante na redução do risco associado a doença cardiovascular", refere Maria do Rosário Bronze, investigadora do iBET e Professora da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

"Os resultados obtidos permitem explicar efeitos benéficos para a saúde, associados ao consumo de azeite. É mais uma prova da importância da dieta mediterrânica, em que o azeite é a principal fonte de gordura", reforça outra das investigadoras do iBET envolvida no projeto, Sandra Silva.

Metodologia permite diagnóstico antes de existirem sintomas

O estudo que teve como base um ensaio clínico que envolveu 69 pessoas que não eram consumidores habituais de azeite, avaliou o impacto do consumo em indivíduos saudáveis de uma população Escocesa. Estes indivíduos foram divididos em dois grupos, de forma aleatória. Um dos grupos consumiu azeite com baixo teor em compostos fenólicos, enquanto o outro ingeriu azeite com elevado teor destes compostos. Ambos os grupos consumiram 20 mililitros de azeite cru por dia, ao longo de 6 semanas.

Comentários