Imunoterapia: Será esta a cura para todos os males?

Imunoterapia foi saudada como a inovação de 2013 pela revista Science

3 d ejunho de 2014 - 11h22

A imunoterapia obteve grandes avanços na luta contra cancros que se acreditava serem incurávveis, embora cientistas ainda não compreendam a razão pela qual o tratamento funciona bem em alguns casos e não em outros.

A técnica, saudada como a inovação de 2013 pela revista Science, consiste em treinar o sistema imunológico para atacar os tumores. Em alguns casos, a abordagem desarma as defesas dos tumores e em outros seleciona as células imunes mais fortes do paciente, desenvolve-as em laboratório e reinjeta-as para reforçar o ataque do corpo ao próprio cancro.

"A beleza desta abordagem é que é mais seletiva e está a produzir remissões duradouras e estáveis", disse Steven O'Day, professor associado de Medicina na escola médica Keck, da Universidade da Carolina do Sul.

Segundo um estudo publicado no final do ano passado, 40% dos pacientes com melanoma avançado que foram tratados com imunoterapia não apresentavam indícios de cancro sete anos depois.

Os resultados dos três testes clínicos divulgados esta segunda-feira na Sociedade Americana de Oncologia Clínica, em Chicago, podem aumentar este número.

Um deles, um estudo de fase 1 feito com pacientes com melanoma inoperável, levou a uma sobrevivência média sem precedentes de três anos e meio para um cancro que costuma matar em cerca de um ano.

Investigação continua

"Isto é realmente revolucionário e agora, os tratamentos do melanoma estão a ficar tão bons que estamos a ver pela primeira vez um avanço significativo contra tumores sólidos muito difíceis de tratar", acrescentou O'Day.

Os tumores sólidos são encontrados na maior parte dos cancros. Cientistas dos Institutos Nacionais de Saúde anunciaram na segunda-feira que uma nova técnica - que consiste em retirar células imunológicas de um tumor e cultivar mil mlhões delas em laboratório para reinseri-las no corpo do paciente - teve sucesso em duas entre nove pacientes.

Comentários