Hospital da Covilhã quer criar Unidade de Cardiologia de Intervenção

Unidade acabaria com distâncias superiores a hora e meia, como definem normas europeias
13 de março de 2014 - 14h22
O Centro Hospitalar da Cova da Beira (CHCB) quer criar uma Unidade de Cardiologia de Intervenção, a primeira da região, que permitirá dar resposta aos doentes "em tempo útil", disse hoje o presidente do conselho de administração.
Em declarações à agência Lusa, Miguel Castelo Branco explicou que esta unidade "permitirá tratar localmente e em tempo útil todos os doentes com enfarte agudo do miocárdio", além de inserir a região na rede de referenciação para tratamento destas situações" e de contribuir para "garantir equidade no acesso a esta terapêutica".
Este responsável adiantou que a proposta para a criação da Unidade de Cardiologia de Intervenção da Beira Interior (UCIBI) já foi enviada ao ministério da Saúde e que surge depois de o CHCB ter assegurado a contratação de mais dois cardiologistas, o que permitiu aumentar para quatro o número de médicos especialistas nesta área.
A proposta ressalva ainda o facto de esta unidade poder dar resposta aos doentes dos distritos da Guarda e de Castelo Branco, que atualmente são servidos pelos hospitais de Coimbra, Viseu e Lisboa, unidades que estão a uma distância superior à hora e meia que é apontada pelas normas internacionais como o intervalo de tempo indicado para a realização do procedimento.
"Embora exista uma unidade de hemodinâmica em Viseu, ela fica, mesmo assim, fora do tempo alvo para a maioria dos doentes", sublinhou.
Segundo informação do CHCB, a UCIBI "deve dispor de equipamento de imagem e equipamentos de avaliação cardíaca que permitam efetuar o diagnóstico através de exames de angiografia e intervenção através de cateterismo cardíaco".
O investimento está avaliado em cerca de 1,5 milhões de euros, o equivalente ao valor que foi pago em 2011 pelo CHCB para a realização de 338 procedimentos de cardiologia de intervenção, em Coimbra.
O projeto, para o qual estão identificadas eventuais parcerias, prevê a realização de obras de adaptação, aquisição de equipamento e disponibilização de uma equipa altamente diferenciada.
Lusa
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários