Nova greve dos médicos em cima da mesa após reunião com Governo

A greve dos médicos continua em cima da mesa, após uma reunião entre os sindicatos e os ministros da Saúde e das Finanças, estando a paralisação dependente de uma nova proposta negocial. 

Representantes do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) foram hoje recebidos pelos ministros da Saúde e das Finanças, com este último como anfitrião, tendo debatido várias questões que, a não serem acordadas, poderão provocar uma greve destes profissionais, que seria a segunda este ano.

No final do encontro, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha, disse aos jornalistas que as preocupações dos médicos “mantêm-se”.

“Esperamos que o Ministério da Saúde cumpra na apresentação de uma proposta objetiva”, afirmou, remetendo mais informações para a conferência de imprensa marcada para esta tarde na sede do SIM.

Jorge Roque da Cunha disse esperar “algo de novo” da parte da tutela, pois caso contrário os médicos irão tomar “um conjunto de medidas que não serão boas para os utentes nem para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

O dirigente da FNAM Mário Jorge Neves foi mais explícito e acrescentou que não admite que, “em circunstância alguma, possa haver um processo negocial que não prime pela transparência e pela boa-fé”.

“Exigimos respeito”, disse o sindicalista, referindo que os representantes dos médicos chamaram a atenção dos ministros para “aspetos que seriam dispensáveis”, no texto negocial que lhes foi apresentado, nomeadamente referências como “os médicos terem sido objeto de um aumento de 20%, quando os médicos têm os seus salários congelados há 12 anos" ou "quererem obrigar – o que nem aconteceu no período negro da ‘troika’ – que médicos com mais de 55 anos de idade voltem a fazer urgência".

Os sindicatos alertaram Adalberto Campos Fernandes e Mário Centeno para um conjunto de pontos em disputa e, segundo Mário Jorge Neves, terão deixado o aviso: “Não aceitamos que a nossa dignidade sindical e profissional seja molestada”.

Segundo o SIM e a FNAM, o Ministério da Saúde comprometeu-se a uma nova reunião para o próximo dia 18 e a apresentar uma proposta com todas as matérias até agora discutidas.

Segundo Mário Jorge Neves, “a greve continuará a estar sempre em cima da mesa enquanto não for resolvido o problema negocial dentro do calendário acordado”.

Veja ainda: As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários