Fundo Global contra a SIDA reúne 700 milhões de dólares do setor privado

Desde que foi criado, em 2002, fundo já apoiou mais de 1.000 programas em mais de 140 países

3 de dezembro de 2013 - 15h50

O Fundo Global de luta contra a SIDA, Tuberculose e Malária vai receber quase 700 milhões de dólares em doações do setor privado, mais de 10 milhões dos quais destinados a Moçambique, anunciou hoje a instituição.

Em comunicado, o Fundo Global diz que as novas doações foram anunciadas durante um evento de angariação de fundos intitulado "Não há tempo a perder: partilhar a responsabilidade de salvar vidas" e organizado pelo fundo e pela (RED), instituição criada pelo cantor Bono e pelo ativista norte-americano Bobby Shriver para angariar fundos para a luta contra a SIDA.

"O setor privado tem um papel importante no progresso do Fundo Global contra o VIH, a tuberculose e a malária", disse Bill Gates, copresidente da Fundação Bill e Melinda Gates e orador no evento de segunda-feira à noite em Washington. O fundador da Microsoft acrescentou que o setor privado não é apenas um financiador importante, mas contribui também com conhecimentos e instrumentos que ajudam a aumentar o impacto do Fundo Global.

No evento, Gates anunciou que a sua fundação vai atribuir 500 milhões de dólares ao fundo para o período 2014-2016, incluindo 300 milhões já anteriormente anunciados e 200 milhões anunciados agora.

A (RED) anunciou que vai contribuir com 40 milhões nos próximos dois anos.

"Até ao final de 2015, a (RED) terá gerado mais de 250 milhões de dólares para o Fundo Global desde o setor privado", disse a presidente da instituição, Deborah Dugan.

Também representada no encontro, a petrolífera norte-americana Chevron comprometeu-se a doar mais cinco milhões de dólares nos próximos dois anos para a prevenção da transmissão do VIH de mãe para filho na Nigéria.

Este compromisso faz aumentar o investimento da Chevron no Fundo Global para 60 milhões de dólares em oito anos, o que faz da empresa a maior doadora empresarial privada à organização.

Comentários