Fobia de andar de avião afeta um em cada três portugueses

Um em cada três portugueses considera ser perigoso e tem fobia de andar de avião, apesar de este ser um dos meios de transporte mais seguros do mundo, revela um estudo pioneiro em Portugal sobre a prevalência da ansiedade do voo.

O estudo “Prevalência da ansiedade de voo numa amostra da população portuguesa”, apresentado recentemente na Ordem dos Psicólogos Portugueses e numa conferência internacional, em Malta, sobre psicologia da aviação, revela que há um conjunto de perceções que estão distorcidas, segundo Cristina Albuquerque, uma das autoras.

“Trata-se de um estudo pioneiro em Portugal, e o interesse neste tipo de assunto é perceber como as pessoas veem o transporte aéreo. A perceção que têm de como é que, sendo um meio de transporte tão seguro, pode levar a que cerca de 30 por cento dos inquiridos considere ser perigoso andar de avião”, explicou em declarações à agência Lusa.

De acordo com dados de segurança da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), em 2013 ocorreu um acidente por cada 2,4 milhões de voos, não querendo dizer que estes tenham sido fatais.

Cristina Albuquerque sustentou que há a “ideia distorcida” de que num acidente aéreo “ninguém sobrevive”.

“Temos esta realidade, que são os factos, a estatística, e de outro lado, temos a perceção do comum dos mortais de que viajar de avião é perigoso. É uma realidade distorcida”, concluiu.

Para a psicóloga, especialista em casos de fobia de aviação há mais de 25 anos, um dos dados “mais surpreendentes” do estudo tem a ver com o facto de 71,2 % dos inquiridos evitar viagens de longo curso, mas tolerar as viagens de médio curso.

“Verificámos que nestas últimas pessoas, 88,5% sofrem de ansiedade de voo. Há um conjunto de comportamentos que o passageiro aéreo tem e que são influenciados por uma ansiedade de voo latente”, sublinhou.

Cristina Albuquerque referiu ainda que há muitas pessoas que recorrem aos medicamentos ou a bebidas alcoólicas para suportarem as viagens de avião, mas outras há que desistem de embarcar, optando por não enfrentar a sua fobia.

Comentários