Estudo admite que mais de 80% dos idosos do Alto Minho tenham peso a mais

Problema atinge mais as mulheres, com cerca de 75,8% de prevalência
24 de abril de 2014 - 14h01



Mais de 80% dos idosos do Alto Minho têm peso a mais, segundo os primeiros resultados de um estudo à condição de saúde e atividade física desenvolvido por investigadores do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC).



Trata-se da primeira fase do projeto "Estado de Saúde e Atividade Física da População Idosa", concretizado por investigadores da Escola Superior de Desporto e Lazer de Melgaço do IPVC e que envolve um grupo de estudo de 1.060 pessoas com mais de 70 anos, residentes nos dez concelhos do distrito de Viana do Castelo.



De acordo com estes resultados iniciais, descritos hoje à Lusa pelos autores, conclui-se que cerca de 83% da população idosa do distrito, com base no grupo estudado, "está com excesso de peso ou obesidade", enquanto 17% apresenta um Índice da Massa Corporal (IMC) considerado "normal".



Segundo Pedro Bezerra, coordenador da Licenciatura em Desporto e Lazer e investigador principal deste estudo, o problema atinge mais as mulheres, cerca de 75,8% de prevalência, do que os homens (44%), mas ambos os grupos apresentam risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.



Os resultados refletem apenas o primeiro de quatro elementos que os investigadores pretendem observar, no tempo, entre as alterações de saúde e as relações entre marcadores biológicos, aptidão física e autoperceção do estado de saúde na terceira idade.



O projeto está a ser desenvolvido em parceria com técnicos da Unidade Local de Saúde do Alto Minho e permitirá criar uma base de dados na área da terceira idade.



De acordo com os autores, a situação (excesso de peso) dos idosos dos concelhos de Ponte de Lima, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez causa "alguma preocupação". Já os de Viana do Castelo, Paredes de Coura, Melgaço, Vila Nova de Cerveira e Valença envolvidos no estudo apresentam menor número de casos de peso a mais.

Comentários