Estados Unidos passam a autorizar pílula do dia seguinte sem prescrição

Em Portugal, a pílula do dia seguinte é vendida sem prescrição desde 2000.
11 de junho de 2013 - 11h39



A administração Obama confirmou esta segunda-feira que cumprirá a decisão de um juiz e permitirá a venda da chamada "pílula do dia seguinte" para jovens de qualquer idade, suspendendo a tentativa de restringir a disponibilidade do medicamento.



A reviravolta nesta questão politicamente sensível passar a permitir que qualquer mulher, incluindo adolescentes, comprem a pílula do dia seguinte numa farmácia, sem necessidade de receita médica.



O governo Obama rejeitava a venda indiscriminada do fármaco, alegando riscos de cariz social e para a saúde.



Numa carta enviada ao juiz Edward Korman, o governo informa que a agência federal de alimentos e medicamentos (FDA) "solicitou ao fabricante da (pílula) Plan B One-Step (PBOS) o envio de um pedido suplementar para a aprovação do medicamento sem qualquer restrição" de venda.



"Assim que a FDA receber a solicitação complementar, será aprovada rapidamente".



Os anticonceptivos baseados no levonorgestrel conhecidos como pílula do dia seguinte têm os mesmos princípios ativos que os anticoncepcionais comuns, mas em doses mais altas, que podem evitar a gravidez mesmo se ingeridos 72 horas após a relação sexual.



Em 2011, a secretária americana de Saúde Kathleen Sebelius determinou que jovens com menos de 17 anos precisariam de receita médica para comprar a "pílula do dia seguinte".



Em Portugal, a pílula do dia seguinte é vendida sem prescrição desde 2000.



SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários