Estados Unidos antecipam-se e recomendam uso preventivo de antirretrovirais contra a Sida

Índice de infeção mantém-se estável há 20 anos mas anualmente surgem 50 mil novos casos
16 de maio de 2014 - 10h40



A decisão é pioneira em todo o mundo. As autoridades de saúde norte-americanas recomendam a utilização de antirretrovirais contra a Sida em todos os grupos em situação de risco, especialmente os homossexuais, com o objetivo de reduzir o número de novas infeções pelo vírus do VIH.



Esta nova iniciativa do Centro de Controlo e Prevenção de Enfermidades (CDC), publicada na Internet esta semana, pode provocar um forte aumento da procura de Truvada, o único antirretroviral preventivo autorizado nos Estados Unidos.



Segundo o CDC, cerca de 500 mil americanos poderão ser beneficiados por este tratamento, utilizado atualmente por 10 mil. Os seguros médicos nacionais financiam o medicamento.



De acordo com as autoridades de saúde dos Estados Unidos, o índice de infeção por HIV mantém-se estável há 20 anos, com 50 mil novos casos por cada ano.



Porém, o CDC vê-se obrigado a reforçar a recomendação do uso de preservativo, prática que tem diminuído entre os homens homossexuais.



A maior organização americana de combate à Sida, a IDS Healthcare Foundation, criticou a iniciativa por considerar que "provocará uma redução do uso de preservativos" e "aumentará a incidência de outras doenças venéreas, como a sífilis, que está de volta em força em todo o mundo".



Por SAPO Saúde com AFP



Leia também:









artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários