Esta mulher morreu em 1951, mas continua a salvar vidas

As células imortais de Henriquetta Lacks contribuíram para avanços importantes nas áreas da ciência e medicina.
créditos: DR

Esta mulher morreu em 1951, mas continua a salvar vidas
créditos: DR

Henriquetta Lacks morreu em 1951, meses depois de descobrir que tinha um tumor maligno no colo do útero que acabou por metastizar para várias regiões do corpo. Na altura, foi submetida a uma biópsia cirúrgica e desde então a ciência tem manipulado as suas células. E porquê? Porque as células desta norte-americana de Baltimore, Maryland, foram as primeiras a manterem-se vivas fora do corpo.

Essa capacidade aparentemente única tornou-as na linha celular humana mais usada por cientistas de todo o mundo em investigações várias, do cancro, à genética, passando pela biologia. As células de Henriquetta Lacks chegaram a ir ao Espaço, numa missão da NASA, para serem sujeitas a testes em gravidade zero.

Ao contrário de outras células, as de Henriquetta - que passaram a chamar-se HeLa - conseguem multiplicar-se mesmo fora do corpo, em laboratório.

O investigador George Grey tentava há décadas, no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, cultivar em laboratório células cancerígenas, mas sem sucesso. Quando se apercebeu da capacidade extraordinária das células de Henriquetta Lacks sobreviverem e multiplicarem-se, distribuiu-as por vários laboratórios. Foram as primeiras a serem compradas, vendidas e enviadas para laboratórios de todo o mundo, escreve a BBC.

Renderam milhões de dólares, mas a família de Henriquetta Lacks nunca soube. Até ao dia em que, no ano de 1973, a suspeita de uma cura para o cancro levar um grupo de geneticistas à procura dos descendentes de Henriquetta Lacks. Ao tomar conhecimento, a família tentou obter uma compensação financeira. Hoje, a família detém parte dos direitos de exploração das células, mas nunca foram recompensados financeiramente pelos várias décadas de investigação que permitiram salvar milhares de vidas.

Estas 10 mutações genéticas dão-lhe autênticos superpoderes

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários