Doenças do foro respiratório mataram 50 portugueses por dia em 2012

FPP considera insuficientes os apoios no combate ao tabagismo
28 de janeiro de 2014 - 10h11
As doenças do foro respiratório foram responsáveis pela morte de 50 portugueses por dia, em 2012, um aumento de 17 por cento em relação ao ano anterior, segundo o relatório do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias (ONDR).
Este documento de 2013, elaborado pela Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP), indica que, em 2012, morreram por doenças respiratórias 13.908 portugueses.
A este número acrescem 4.012 óbitos por cancros da traqueia, brônquios e pulmão.
Os autores referem que estes números representam um aumento de 16,58% em relação a 2011 e de 24,07% em relação a 2005.
“Estes valores são muito superiores aos óbitos por todas as outras causas que, praticamente, não variam desde 2005”.
Em relação às pneumonias e os cancros do aparelho respiratório, estes representam 60,29% dos óbitos por doenças do foro respiratório (10.805 em 17.920).
No documento lê-se que houve um aumento da mortalidade em todas as patologias, à exceção da tuberculose, e uma relativa estabilização em relação aos cancros.
Os autores do documento ressalvam que, se se comprovar esta tendência, é necessário “procurar as razões”.
“Além do frio e das infeções virais, teremos de estar alertados para o facto de, em épocas de crise e de significativa diminuição do poder de compra, haver uma tendência, geralmente reconhecida, para o aumento das doenças respiratórias”, lê-se no relatório.

Comentários