Toupeira cega e coelho curioso alertam em conto para o dia a dia dos deficientes visuais

Uma toupeira cega e um coelho curioso são personagens de um livro infantil hoje lançado pela Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), em texto e em Braille, para sensibilizar a sociedade sobre a deficiência visual.

“É uma pequena história que tem por objetivo sensibilizar toda a opinião pública para a problemática da deficiência e para a relação entre pessoas com deficiência, no caso deficiência visual, e a sociedade em geral”, disse o presidente da direção nacional da ACAPO, Tomé Coelho, em declarações à agência Lusa.

Com o lançamento deste livro, a instituição antecipa as comemorações do Dia Internacional da Bengala Branca – que se assinala no próximo domingo – visando assim demonstrar a importância da bengala branca e também do sistema Braille para a autonomia das pessoas com deficiência visual.

“[Estes] são os dois maiores símbolos de autonomia das pessoas com deficiência visual. A bengala branca permite que as pessoas se desloquem com alguma segurança e que consigam ser relativamente autónomas. Já o sistema Braille, permite o acesso à informação e ao conhecimento. É o sistema privilegiado de acesso à leitura e à escrita para pessoas com deficiência visual”, lembrou.

Tomé Coelho frisou ainda que o livro, hoje apresentado na Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto, pelas 14:30, disponibiliza simultaneamente a história em texto impresso e em Braille “para que todas as pessoas possam ter acesso ao conteúdo da história”.

O livro infantil retrata o primeiro encontro de “Topas” (mascote da associação), uma toupeira “cega que procurava lutar para sobreviver, sem nunca desistir”, e de um coelho branco que vivia numa toca vizinha “mas que saía pouco, com medo dos homens caçadores”, lê-se em comunicado da ACAPO.

Deste encontro, surge a oportunidade de esclarecer as dúvidas do coelho, que é “muito curioso” e não sabe o que é o Braille nem como é que uma toupeira cega lê uma carta ou utiliza um computador.

Na cerimónia de apresentação foram disponibilizados 500 exemplares do livro, bem como o porta-chaves da mascote da instituição para venda, revertendo o valor para futuras atividades da ACAPO.

“Topas e o Coelhinho Branco” foi produzido em 2016, com o apoio do Programa de Financiamento a Projetos pelo Instituo Nacional para a Reabilitação.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários