Casos de otite externa duplicam no verão

Moldes de água podem prevenir inflamações graves do canal auditivo

As otites externas, também conhecidas como “otites de nadador” são uma das doenças mais frequentes da época estival. A sua ocorrência tende a duplicar face aos restantes meses do ano, acompanhando a tendência de um maior número de perfurações do tímpano e outras infeções graves, já ao nível do ouvido médio, refere a AudioClínica em comunicado.

Para prevenir estas doenças, quase sempre decorrentes da permanência excessiva dentro de água ou à própria salubridade da mesma, existem atualmente no mercado um conjunto de moldes de água totalmente personalizáveis ao ouvido.

Catarina Korn, audiologista e diretora-geral da AudioClínica explica: “É muito fácil lembrarmo-nos de usar protetor solar quando sentimos calor, ou preocuparmo-nos com a exposição das crianças ao sol nas horas de maior perigo. Sabemos que devemos ir para baixo de um chapéu e usar óculos escuros. O que raramente é notado, todavia, é que praia e piscina são locais de dois elementos, em que um deles é sempre a água. Se nos protegemos em terra, porque não fazê-lo no mar?”.

A otite externa é comummente causada por bactérias e fungos, como os que se podem encontrar em águas de fraca salubridade. Por outro lado, o próprio aumento da regularidade do contacto com a água poderá levar a uma remoção exagerada da cera que protege o canal auditivo. A empresa refere ainda que, como consequências, poderão surgir dor intensa, comichão, expulsão de secreções e mesmo diminuição temporária de audição.

09 de agosto de 2011

Comentários