Casos de cancro vão aumentar 50% até 2030

Tabaco continua a ser uma das principais causas da morte por cancro, alerta OMS
3 de fevereiro de 2014 - 14h44



Um relatório publicado esta segunda-feira pela Organização Mundial de Saúde assevera que os casos de cancro devem aumentar 50% até 2030, quando serão diagnosticados em todo o mundo quase 22 milhões de casos em comparação com os 14 milhões de 2012. Ao mesmo tempo, as mortes pela doença passarão de 8,2 milhões para 13 milhões por ano.



Essas tendências são acompanhadas pelo aumento e envelhecimento da população e pela adoção de hábitos de risco, como fumar, lê-se no relatório da Agência Internacional para a Investigação do Cancro (IARC) da Organização Mundial da Saúde (OMS).



"O maior impacto será registado nos países com menores recursos, muitos dos quais mal equipados para enfrentar este aumento de casos", diz a diretora da OMS, Margaret Chan.



Países em desenvolvimento em risco



Os países em desenvolvimento não só padecem de casos de cancro associados à pobreza, mas também dos resultados de hábitos adquiridos após conquistar melhores condições de vida, como um maior consumo de álcool e tabaco, o consumo de alimentos processados e a falta de exercício físico.



O cancro substituiu assim as doenças cardíacas como a principal causa de morte a partir de 2011 e o número anual de diagnósticos aumentou de 12,7 milhões em 2008 para 14,1 milhões em 2012.



O relatório destaca a diferença entre os sexos: cerca de 53% dos casos diagnosticados e 57% das mortes ocorrem em homens.



Entre os homens, o cancro mais comum é o dos pulmões (16,7% do total de casos no sexo masculino); seguido pelo cancro de próstata (15%), colorretal (10%), estômago (8,5%) e fígado (7,5%).



Entre as mulheres, o mais frequente é o de mama (25,2%), seguido pelo colorretal (9,2%), pulmões (8,7%), útero (7,9%) e estômago (4,8%).



Há também diferenças regionais: mais de 60% dos casos de cancro e 70% das mortes ocorrem na África, Ásia, América Central e América do Sul, segundo o relatório global.

Comentários