Bolachas Oreo são tão viciantes como cocaína

Produtos com elevados níveis de gordura e açúcar mais populares nos estratos socioeconómicos baixos
17 de outubro de 2013 - 08h55



Investigadores testaram o comportamento de ratazanas de laboratório perante bolachas Oreo e compararam-no com aquele que os animais demonstraram perante cocaína. Os investigadores chegaram à conclusão que as bolachas viciam tanto como a droga.



O principal objetivo de Jamie Honohan, estudante no Connecticut College, nos Estados Unidos, era estudar a potencial predominância de alimentos com elevado índices de gordura e açúcar nos bairros norte-americanos mais pobres, e o fator viciante daqueles, o que poderia ajudar a explicar o aumento da taxa de obesidade no país.



O estudo foi conduzido por Jamie Honohan, outros três colegas e Joseph Schroeder, professor de neurociência no Connecticut College. "A nossa investigação sustenta a teoria de que os alimentos com elevados índices de gordura e açúcar estimulam o cérebro da mesma forma que as drogas o fazem", refere Schroeder, citado pelo jornal da faculdade.



Bolachas tão perigosas como droga



Para comprovar isto, a equipa escolheu as bolachas Oreo - a bolacha preferida da América- porque os produtos com elevados níveis de gordura e açúcar têm um grande peso de mercado nos estratos socioeconómicos mais baixos, segundo afirma Jamie Honohan.



No estudo, quando as ratazanas se dirigiam às Oreo, começavam sempre por as abrir e comer, em primeiro lugar, o recheio. Só depois alimentavam-se da bolacha propriamente dita.



Os cientistas fizeram um labirinto: de um lado as ratazanas encontravam as Oreo e, do outro, os menos calóricos bolos de arroz.



Joseph Schroeder compararam os resultados com aqueles obtidos numa experiência com o mesmo esquema, em que, em vez de Oreo e bolos de arroz, de um lado do labirinto era administrado às ratazanas cocaína e morfina e, do outro, salina. Neste teste, as cobaias tinham passado tanto tempo no lado da cocaína e da morfina como passaram no lado das Oreo, o que traduz o cariz viciante das bolachas.



Com a investigação, a equipa descobriu que as Oreo ativam significativamente mais neurónios do que a cocaína e a morfina. "Ainda que nós associemos o consumo de droga, como cocaína e morfina, a prejuízos muito grandes para a saúde, alimentos com elevados níveis de gordura e açúcar podem representar um maior perigo ainda, por causa da sua acessibilidade", conclui Jamie Honohan.



SAPO Saúde
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários