Ordem dos Médicos preocupada com adiamento de 6.000 cirurgias

O bastonário da Ordem dos Médicos manifestou hoje “alguma preocupação” com o adiamento de cirurgias devido à greve dos enfermeiros e apelou ao Governo para “encetar diálogo com os sindicatos” e “tentar chegar a um acordo equilibrado”.

“Estou a manifestar preocupação relativamente aos doentes. Naturalmente que as greves têm sempre algum prejuízo lateral para os doentes”, afirmou Miguel Guimarães aos jornalistas, à margem da participação num evento na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Para o bastonário, o Governo e o ministério da Saúde “devem encetar diálogo com os enfermeiros, nomeadamente com os sindicatos, e tentar chegar a um acordo equilibrado, dentro das possibilidades do próprio país, no sentido de atender a, pelo menos, uma das reivindicações dos enfermeiros, que é os enfermeiros especialistas ter uma remuneração melhor”.

Questionado sobre a informação de que centenas de cirurgias foram esta semana adiadas devido à greve dos enfermeiros, o bastonário dos Médicos admitiu desconhecer se a paralisação está a colocar em causa “serviços mínimos, como urgências ou bloco de partos”.

Cirurgias adiadas

“É evidente que as greves são instrumentos sindicais perfeitamente legítimos e normais. Existe sempre algum prejuízo para atendimento dos doentes, seja em contexto de consulta externa ou de bloco operatório. O que não pode acontecer é [haver] prejuízo na área dos serviços mínimos: urgências e bloco de partos. Não sei se há. Já tentei saber, mas não sei”, afirmou.

Em declarações à rádio TSF, Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, revelou hoje que há centenas de cirurgias que estão a ser adiadas devido à greve dos enfermeiros.

O presidente dos Sindicato dos Enfermeiros, José de Azevedo, fala em cerca de seis mil cirurgias adiadas desde o início da greve.

Para Miguel Guimarães, “é natural que cirurgias não se façam”, mas “os hospitais vão resolver os problemas destes doentes [afetados pelas cirurgias adiadas] assim que puderem”.

Veja ainda: As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos

Comentários