Banco Farmacêutico faz nova recolha de medicamentos para ajudar 75 instituições

O Banco Farmacêutico realiza no sábado, dia 14 de fevereiro, entre as 09h e as 19h, a VII Jornada de Recolha de Medicamentos.
créditos: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A iniciativa, que marcou anteriormente presença nas zonas centro e sul, estende-se este ano à região norte do país e contará com a adesão de 125 farmácias.

Os medicamentos recolhidos beneficiarão os utentes de 75 instituições particulares de solidariedade social (IPSS) situadas nas regiões das farmácias aderentes, nos distritos de Lisboa, Setúbal, Santarém, Évora, Beja, Portalegre, Faro, Aveiro, Porto, Vila Real e Bragança.

Com uma dinâmica semelhante à do Banco Alimentar Contra a Fome, o objetivo do Banco Farmacêutico é sensibilizar os portugueses para a doação de medicamentos e produtos de saúde não sujeitos a receita médica, que serão recolhidos nas farmácias por 500 voluntários e distribuídos posteriormente pelas IPSS abrangidas pelo projeto.

A jornada de recolha de medicamentos é feita nas farmácias onde o farmacêutico garante a qualidade dos medicamentos doados. Só podem ser doados medicamentos novos, seguros e de qualidade e que ainda não tenham estado fora do circuito do medicamento (não são aceites medicamentos vindos de casa) e que correspondam à lista de necessidades de cada uma das instituições de solidariedade social contempladas pela recolha.

10 mil medicamentos em 2014

A edição de 2014 contou com a recolha de 10 mil medicamentos e produtos de saúde, no valor de 40 mil euros, que foram distribuídos pelas zonas centro e sul do país. À edição do ano anterior aderiram 122 farmácias.

Em seis anos de Jornadas de Recolha de Medicamentos tem-se verificado um sólido crescimento do número de farmácias aderentes, voluntários, instituições apoiadas e também do número de medicamentos recolhidos. Desde 2009, ano em que a iniciativa decorreu pela primeira vez em Portugal, tanto o número de instituições apoiadas como o de farmácias associadas a esta causa quase duplicou, registando-se um crescimento que ronda os 190% em ambos os casos.

Luís Mendonça, presidente do Banco Farmacêutico salienta que “apesar do contexto de crise económica que temos vivido nos últimos anos, a solidariedade dos portugueses mantém-se e tem crescido. É com muita satisfação que constatamos que a cada nova edição da recolha de medicamentos temos a participação de mais farmácias, as doações são em maior número e conseguimos ajudar cada vez mais pessoas, que é o nosso principal objetivo”.

A VII Jornada de Recolha de Medicamentos conta com o apoio de cada uma das farmácias aderentes, da Ordem dos Farmacêuticos, da Associação Nacional de Farmácias (ANF), da Logista Pharma e da Tranquilidade.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários