Autoridades portuguesas recomendam população a não viajar para países com ébola

Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria desaconselhadas pelo Estado português

20 de agosto de 2014 - 17h23

As autoridades portuguesas recomendam aos cidadãos portugueses que evitem viajar para os países afetados pelo Ébola, a menos que o façam por “absoluta necessidade”, segundo numa nota publicada hoje na página da Direção Geral da Saúde (DGS).

A DGS sublinha que a situação na Costa Ocidental de África “impõe ações de prevenção e controlo” tanto na fonte (epicentro da epidemia), como nas medidas que visam impedir a exportação de casos de doença para outros países.

Segundo a nota, é necessário distinguir entre o problema que surgiu inicialmente na Guiné-Conacri e que se propagou aos países africanos vizinhos (Serra Leoa e Libéria), devido à quase inexistência de fronteiras, e a eventual importação de casos em Estados de outros Continentes.

“Na Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria a propagação da epidemia de Ébola deve-se, sobretudo, ao facto de serem países contíguos, com delimitação porosa de fronteiras, isto é, permeáveis e como tal atravessadas por populações rurais, onde os respetivos sistemas de saúde são muito frágeis e as condições socioeconómicas são, igualmente, débeis”, explica a DGS.

Já na Nigéria, a atividade epidémica é explicada a partir da importação de um caso, que viajou de avião, “dando origem a cadeias de transmissão, que tudo indica estarão controladas até ao momento”.

Por isso, as autoridades portuguesas, incluindo o Ministério dos Negócios Estrangeiros, aconselham “os cidadãos a viajar para aqueles três países apenas em caso de absoluta necessidade”, como princípio de precaução, sublinhando contudo que os recursos existentes em Portugal “permitem evitar ou reduzir o risco de transmissão de casos de infeção”.

A DGS sublinha que tanto na sua página (www.dgs.pt) como na da Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (www.secomunidades.pt) estão disponíveis informações permanentemente atualizadas, incluindo conselhos a viajantes.

Também a Linha Saúde 24 (808 24 24 24) presta esclarecimentos complementares, bem como a linha telefónica do Gabinete de Emergência Consular (961706472 ou 217929714), que funciona em permanência para situações de urgência ocorridas no estrangeiro.

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários