Acidentes e VIH no topo das causas de morte de 1,3 milhões de adolescentes

Acidentes rodoviários são a principal causa de mortes a nível global
14 de maio de 2014 - 08h20
Cerca de 1,3 milhões de adolescentes morreram em 2012, revela hoje um relatório da OMS, que aponta os acidentes rodoviários como a primeira causa de morte e o VIH como a segunda, e a crescer.
O relatório “Saúde para os adolescentes do mundo” é hoje publicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que estima que uma em cada cinco pessoas no mundo seja adolescente, ou seja, há 1,2 mil milhões de pessoas de entre 10 e 19 anos.
Embora a maioria dos adolescentes seja saudável, a OMS alerta que ainda há números significativos de mortes e doenças naquela faixa etária.
Só em 2012, revela a organização, morreram 1,3 milhões de adolescentes em todo o mundo, menos do que os 1,5 milhões de 2000.
A taxa de mortalidade naquela faixa etária caiu de 126 para 111 em cada 100.000 entre 2000 e 2012, uma “queda modesta” de 12% que continua a tendência dos últimos 50 anos, conclui a OMS.
No relatório, a OMS revela que os acidentes rodoviários são a principal causa de mortes a nível global, assim como a segunda causa de ferimentos e deficiência.
Os rapazes são particularmente afetados pelos acidentes na estrada, com uma taxa de mortalidade três vezes mais elevada do que as raparigas.
O VIH, que não aparecia entre as causas de mortes adolescentes em 2000, tornou-se agora a segunda mais frequente.
A OMS estima que a mortalidade adolescente associada a esta doença esteja mesmo a aumentar nesta faixa etária, ao contrário do que acontece em todas as outras.
Isto pode refletir as melhorias nos cuidados de saúde junto das crianças seropositivas, o que faria aumentar aquelas que chegam vivas à adolescência, admite a OMS.
No entanto, nesta faixa etária os doentes não estão a receber o tratamento e os cuidados necessários para sobreviver e evitar a transmissão.

Comentários