O pensamento 8 ou 80 (que não ajuda em nada)

Muitas vezes temos pensamentos negativos que não estão adaptados à realidade. A isso chamamos distorções cognitivas, ou seja, são pensamentos exagerados e/ou irracionais que a nossa mente arranja. E servem de alguma coisa? Um artigo da psicóloga Mafalda Leitão.

Há vários tipos de distorções cognitivas e um deles, que falarei hoje, é o pensamento de “8 ou 80”, mais especificamente, o Pensamento Tudo ou Nada; que é um dos maiores obstáculos para quem quer perder peso.

O Pensamento Tudo ou Nada existe quando a pessoa faz uma conceção, uma argumentação ou um julgamento de algo em termos absolutos, usando expressões como “sempre”, “nunca”, “não há alternativa”, entre outros.

Vou dar alguns exemplos deste pensamento que, normalmente, podem ocorrer durante um processo de emagrecimento:

  • “Ou faço a dieta de forma exímia ou se acontecer um deslize, como tudo o que tiver à frente”;
  • “Já que não consegui resistir a estes alimentos, de agora em diante vou comer tudo o que tiver à frente”;
  • Ou perco 3kg na primeira semana ou nunca mais farei dieta”
Identifica-se com este tipo de pensamentos? 

É preciso corrigir este tipo de pensamentos disfuncionais. Isto porque quando pensamos de forma funcional, os nossos comportamentos tornam-se, também eles, funcionais. E só assim conseguiremos alcançar os objetivos pretendidos. Muitas pessoas não conseguem emagrecer porque pensam de forma disfuncional acerca da dieta e assim torna-se muito mais difícil, senão impossível. O que deve fazer?

Imagine que tem uma lesão num músculo e que tem de fazer fisioterapia para voltar a ser como antes. A fisioterapia serve como treino para o músculo perceber o que deve voltar a fazer e qual o comportamento que tem de ter. No emagrecimento passa-se exatamente o mesmo. Temos o nosso cérebro, que precisa de ser treinado todos os dias, para ganhar novos hábitos e um novo estilo de vida. E isso só é possível se o treinar; para que o processo de emagrecimento se torne mais fácil e, no final, seja algo intrínseco e que não precisa de pensar.

A isto chama-se reestruturação cognitiva e é possível fazê-lo com a ajuda de um psicólogo. O mais importante de tudo é que a eliminação destas distorções cognitivas melhoram as nossas emoções, o nosso bem estar e baixa a probabilidade da ocorrência de doenças, tal como a depressão ou ansiedade, como nos contam alguns estudos e a própria realidade em si.

Um artigo da psicóloga Mafalda Leitão, das Clínicas Em Forma

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários