Terra Nostra investe em matéria-prima açoriana e quer “vacas felizes”

Rico em minerais como cálcio, zinco, magnésio e fósforo; em vitamina A, B2 e B12, em proteínas e lípidos, o queijo fornece poucos hidratos de carbono e faz parte de uma alimentação variada e saudável.

Uma vez que concentra seletivamente os nutrientes do leite e que se presta a ser produzido em diversas variedades, o queijo revela-se um alimento versátil e adaptável a todas as ocasiões. A Roda dos Alimentos recomenda duas a três porções de lacticínios por dia, que podem ser traduzidas por 250ml de leite, iogurte, 50g de queijo fresco ou requeijão ou 40g de queijo flamengo, por exemplo.

Daí a importância de garantir a qualidade da matéria-prima e de escolher ingredientes produzidos de forma natural, sem corantes ou conservantes. É esse o objetivo da marca açoriana Terra Nostra, ao representar a terra das “vacas felizes, que vivem ao ar livre e em comunidade, com uma alimentação à base de erva fresca o ano inteiro”.

O programa “Leite de Vacas Felizes - Puro Leite de Pastagem” acaba de ser lançado pela marca junto de 500 produtores de leite dos Açores, no sentido de contribuir para uma produção mais sustentável.

O programa está dividido em cinco pilares: pastagem, bem-estar animal, qualidade e segurança alimentar, produção sustentável e eficiência. Para aderir e ser um produtor certificado, há que cumprir com um conjunto de requisitos e boas práticas agropecuárias. Por sua vez, a marca garante a valorização do leite, suporte técnico, apoio na aquisição de suportes informáticos e vários benefícios sociais. O investimento previsto no “Programa Leite de Vacas Felizes” é de sete milhões de euros.

“Este programa é sobre fazer o bem, pra os nossos animais, para o ecossistema, para os Açores e para todos nós”, declarou Ana Cláudia Sá, diretora Geral da Bel em Portugal, detentora da marca Terra Nostra. A Bel conta com três fábricas em território nacional, duas delas nos Açores. Além da Terra Nostra, a Bel trabalha as marcas Limiano, A Vaca Que Ri, Mini Babybel, Boursin e Leerdammer.

artigo do parceiro:

Comentários