Nascido no Douro, chegou aos lineares o primeiro Rosé da Santos & Seixo

A Santos & Seixo, produtora de vinhos, acaba de lançar o primeiro vinho Rosé da marca Santos da Casa. Este néctar, provém da colheita de 2016, das vinhas em solo de xisto e banhadas pelo rio Douro.

O Santos da Casa Rosé 2016 é um vinho constituído na sua maioria por uvas da casta Touriga Nacional e, de acordo com o produtor, a Santos & Seixo, “apresenta-se leve, fresco e ideal para os dias mais quente. Exibe uma cor delicada de pétala de rosa clara com aroma de fruta fresca de morango e pêssego”.

Recorde-se que a Santos & Seixo, casa que nasceu em 2014, se apresenta nos lineares com duas marcas de diferente assinatura, a Santos da Casa, irmã mais velha da insígnia Rotas de Portugal. Esta última referência, numa alusão direta à paixão que os produtores nutrem por viagens.

A Santos & Seixo apresenta um portefólio de produtos que inclui dez néctares, entre “Colheita”, “Reserva” e “Grande Reserva”.

Quatro “Colheita” Santos da Casa distribuídos entre Alentejo – Vinho Regional Tinto (2014) e Vinho Regional Branco (2015) - e Douro - Douro DOC Tinto (2015) e Douro DOC Branco (2015) e Douro DOC Rosé (2016). São vinhos com um carácter jovem e fresco, com algumas vindimas manuais como é exemplo o Alentejo Branco e/ou uvas desengaçadas, em todos os néctares.

A gama “Reserva apresenta vinhos completos e com potencial de envelhecimento. Aqui com três referências, o Vinho Regional Alentejano Tinto (2015) e o Unoaked Vinho Regional Alentejo (2015).

No que respeita ao Douro DOC, um tinto de 2013, fruto de vindima manual e de uva desengaçada, bebemos um néctar de contornos suavizados e frutado, complexo e polido, fruto do descanso de 12 meses em barricas de carvalho francês. Ainda nos Reserva, um Douro DOC de 2016.

Chegados aos Grande Reserva vamos a Norte, o Grande Reserva Douro DOC (2013).

Em 2016 nasceu uma nova insígnia Santos & Seixo, a Rotas de Portugal. Para já uma viagem ainda curta, rumo ao Alentejo. Um tinto e branco, ambos de 2015. O branco provém essencialmente das castas Arinto, Antão Vaz e Verdelho. Por seu turno, o tinto é produzido a partir das castas Trincadeira, Alicante Bouschet, Aragonez e Syrah.

artigo do parceiro:

Comentários