Charcutaria Lisboa e o perfume da cozinha alentejana

Antes da proliferação de chefes de cozinha e do conceito de menu de degustação invadirem os restaurantes portugueses, já Manuel Martins fazia os seus petiscos regionais na Charcutaria de Campo de Ourique. A Charcutaria tem agora nova casa na Rua do Alecrim, num espaço com mais luz e amplitude para apreciar devidamente a cozinha de raiz alentejana.

O desfile começa com empadas de galinha, pastéis de massa tenra, espargos bravos com ovos e presunto, carpaccio de carne com migas e outras pequenas delícias. Depois surgem pratos carismáticos da cozinha portuguesa, como bacalhau à Brás ou bacalhau com coentros, garoupa em molho de coentros, vitela barrosã ou lombo assado. Por fim, as sobremesas, onde não podiam faltar os doces de origem conventual como o fidalgo ou o pão de rala, acompanhados pelo muito solicitado bolo de chocolate e a surpreendente bolacha de noz com recheio de doce de ovos, apresentada como ex-libris da casa. Charutaria 01

Natural de Lisboa mas alentejano de coração, Manuel Martins não se diz chefe mas é autor de uma cozinha regional impecável, que começou a aprender em Évora, para onde foi estudar aos 17 anos. A sua Charcutaria, fundada pelo pai em 1947, tem agora nova casa na Rua do Alecrim, do lado direito de quem desce do Largo de Camões para o Cais do Sodré. Esta zona é cada vez mais apetecida tanto por turistas como por noctívagos assumidos em busca de diversão, e tem sabido acompanhar o esforço da reabilitação urbana com o aparecimento de novos bares, restaurantes e lojas.  

A Charcutaria Lisboa acompanha o movimento ao longo do dia: “ao almoço há mais clientes portugueses, que trabalham aqui perto; ao jantar há mais turistas”, revela João Paulo Victorino. Assim, a ementa também se adapta à procura: ao almoço há um menu (entrada + prato principal) por €12,50, com três opções diferentes; ao jantar vigora a carta. Para quem tem dificuldade em escolher, pode sempre solicitar os vários petiscos lendários da Charcutaria. Na carta de vinhos distingue-se, além de uma lista de “vinhos de amigos”, uma seleção de “vinhos no feminino”, com escolhas das enólogas Teresa Barbosa (Lapa dos Gaivões e Ninfa); Ana Pereira da Fonseca Reis (Quinta das Cerejeiras e Sanguinhal); Filipa Tomás da Costa (Bacalhôa); Maria Castro (quinta Pellada e Primus) e Valéria Zeferino (Noval e Taylor’s).

Com capacidade para 72 pessoas, o novo restaurante da Rua do Alecrim abriu há poucas semanas e promete tornar-se uma referência. À entrada, o balcão e algumas mesas altas vão permitir tomar uma bebida ao fim da tarde, ao som de música ambiente. “Queremos especializar-nos em vinho do Porto”, adianta João Paulo Victorino, ou não fosse ele especharcutaria 02cialista na área e formador da Wine & Spirit Education Trust.

O chefe de sala, Miguel Freire, acrescenta que à oferta já existente de whisky, conhaque, Madeira e moscatel vai juntar-se em breve novos gins e águas tónicas, indo ao encontro da procura atual. 

Os fãs incondicionais da Charcutaria de Campo de Ourique podem aguardar novidades com a transferência da casa para novas instalações, frente ao Jardim da Parada, ainda este ano.

 

Charcutaria Lisboa

Rua do Alecrim nº47, 1200-014 Lisboa

Contatos: lisboa.alecrim@restaurantecharcutaria.com; tel. 213 460 872

Encerra sábado ao almoço, domingos e feriados

 

Ana César Costa

artigo do parceiro:

Comentários