A melhor batata-doce tem festival em Aljezur

Valorizar os produtos nacionais e os sabores tradicionais é objetivo de mais um festival gastronómico algarvio, que decorre entre 28 e 30 de novembro.

A Ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, irá inaugurar o Festival da Batata-Doce no Espaço Multiusos de Aljezur. Além de tasquinhas e restaurantes, o espaço conta com um Palco Cozinha para demonstrações culinárias e animação infantil, além da apresentação de um licor de batata-doce.

Segundo a organização do evento, “de momento as aplicações deste produto cingem-se essencialmente às aplicações culinárias e na doçaria tradicional, mas o potencial deste produto é tremendo. Desde logo na produção de aguardente ou em produtos derivados ou ainda na aplicação da batata em compostos alimentares como as papas para recém-nascidos, muito devido aos excelentes valores nutricionais que comporta, bem como no aproveitamento da própria rama de batata-doce que produz um excelente esparregado também ele de valores nutricionais únicos”.
Entre as vantagens nutricionais da batata-doce, destaque para a grade quantidade de vitamina A e C, ferro, potássio e ani-oxidantes.

O Guia dos Produtos de Qualidade descreve a Batata-doce de Aljezur como “uma raiz adventícia que por tuberculização se torna carnuda. É uma batata piriforme alongada, de cor púrpura ou castanho-avermelhada e polpa amarela. No calibre, varia entre os 8,5 cm x 4,0 cm e os 16,5 cm x 7,1 cm, e no peso, entre os 50 g e os 450 g. De acordo com estudos efetuados nos laboratórios da Direção Regional de Agricultura do Algarve, tem 65% a 67% de humidade; 1,3% a 1,5% de açúcares redutores; 1,8% a 3,7% de açúcares totais; 11,2% a 12,9% de amido”. E adianta que “as doces raízes, vulgarmente designadas por ‘Batata-Doce de Aljezur’, obtidas a partir da planta herbácea, vivaz, cultivada como anual “Ipomoea batatas L. (syn. Batatas edulis), variedade Lira, da família das Convolvulaceaes, produzidas nesta região com condições ambientais únicas, onde o Sol chega com abundância e onde a terra, a água e o ar não se encontram poluídos, conseguiram a certificação comunitária de IGP”.
A zona de produção é circunscrita ao concelho de Aljezur, com cerca 220 hectares e as freguesias de litorais do concelho de Odemira (S. Teotónio, S. Salvador, Zambujeira do Mar, Longueira-Almograve e Vila Nova de Milfontes).

artigo do parceiro:

Comentários