Verão: massagens ideais

Em busca do relax total e do corpo perfeito

Verão não rima com stresse. Nem com corpos disformes. Nem com gorduras. Nem com más disposições. Para evitar tudo isto não há um remédio santo, mas há um fenómeno chamado massagens que tem a dupla capacidade de aliviar o stresse e de moldar o nosso corpo, na medida do possível.

Normalmente as massagens estão associadas ao tempo frio. Estar num gabinete fechado aquecido com vapores e óleos a serem fricionados no nosso corpo é a visão do paraíso, quando as temperaturas são baixas.

Mas o verão também pode ser uma boa estação para se estar num gabinete de spa. Na busca pelo corpo ideal, vale tudo e os massagistas já adaptaram os seus “menus” ao calor.

Por exemplo, se pretende investir nas pernas, opte por massagens com efeito de drenagem linfática que favorece a distribuição dos líquidos, muito necessária em tempo quente.

O uso da água termal é também uma das boas opções na massagem, especialmente na facial, pois diminui os efeitos de desidratação e reduz os efeitos do sol na pele.

A hidroterapia, por outro lado, é o indicado para desintoxicar o corpo, especialmente se for associada a jatos de água em zonas específicas.

Se gosta de aromas, opte pela aromaterapia, mas peça ao técnico odores frescos que façam lembrar a água do mar ou sabores como a tangerina e o limão que trazem alegria e serenidade, ao invés de stresse e confusão.

Outra das massagens que pode fazer nesta estação é com bandas frias, ou melhor geladas. O creme vai gelando à medida que o tempo vai passando, até não sentirmos os nossos ossos, mas que faz maravilhas, faz mesmo!

É que o uso de princípios activos de crioterapia (frio), “impregnados em ligaduras próprias e em contato com a pele ajudam à circulação de retorno dos membros inferiores que por vários motivos se tornou deficitária, causando sintomas como pernas inchadas, cansadas e pesadas”, referem os especialistas.

Mas se preferir pode apenas optar por uma simples massagem de relaxamento que resulta, seguramente, em qualquer estação do ano.

artigo do parceiro: Nilza Rodrigues

Comentários