Diferentes tipos de varizes obrigam a tratamentos diferenciados

Uma alimentação mais sã ajuda a prevenir o problema mas não o soluciona. Aprenda a distingui-las para escolher o procedimento terapêutico mais adequado

São quase todas inestéticas mas não são todas iguais. O excesso de peso potencia o seu aparecimento em 29%. Um estudo francês que acompanhou mulheres de 64 famílias concluiu que a hereditariedade pode desempenhar um papel determinante no problema, duplicando os riscos quando um dos progenitores sofre desta dilatação e triplicando-os quando são os dois a queixar-se deste mal. Também é o seu caso? Observe atentamente as suas varizes e veja a que tipo pertencem:

- Varizes tronculares

São as maiores e mais grossas, uma vez que afetam a veia safena e provocam a dilatação de grandes troncos venosos. Localizam-se na superfície do músculo e, entre as complicações que podem acarretar, encontram-se a flebite superficial (inflamação das varizes) e a trombose venosa profunda (quando a flebite atinge as veias mais profundas da perna, a veia fêmoro-poplítea).

- Varizes reticulares

São as varizes de tamanho médio. Também podem gerar complicações mas, de um modo geral, não são das mais problemáticas.

- Telangiectasias ou aranhas vasculares

São as veias vermelhas que, por causa do seu tamanho pequeno e escasso fluxo, afetam apenas a circulação de retorno. São consideradas, de início, um problema meramente estético, apesar de poderem produzir sensação de repuxar na pele, peso e cansaço, sobretudo à tarde e durante as épocas de calor.

Informações relevantes

Uma alimentação rica em fibras e pobre em gorduras, associada à ingestão de um litro e meio de água por dia, ajuda a prevenir o problema. Mas existem outras formas de o fazer. Para saber como pode travar o aparecimento de varizes, clique aqui. Para conhecer todos os tratamentos que existem para as varizes, clique aqui. E para testar a sua propensão para o aparecimento de varizes, clique aqui.

artigo do parceiro:

Comentários