Acabei de ser operada. E agora?

Saiba o que se passa no dia seguinte

Sabe o que quer mudar, o que lhe vão
fazer e como deve preparar-se, mas
o que se passará depois da operação?


Nós dizemos-lhe como vão ser as horas
posteriores às cirurgias estéticas
mais comuns , para que não tenha
surpresas.

A ilusão e a alegria com as quais enfrenta
uma cirurgia estética podem desaparecer
numa questão de segundos nas horas que
se seguem à intervenção.

Inchaços, nódoas negras,
dores, inflamações... Estes são apenas alguns dos incómodos efeitos colaterais
destas operações que, apesar de serem totalmente
normais, uma vez que os tecidos levam algum tempo
a adaptar-se às novas estruturas, podem causar
algum mal-estar se a apanharem desinformada e desprevenida.

José Amarante, director do Serviço de Cirurgia
Plástica Reconstrutiva Estética e Maxilo-Facial do
Hospital de São João, no Porto, conta-lhe como são
as horas posteriores às principais cirurgias estéticas,
diz-lhe quais os efeitos secundários e revela-
lhe o que sentirá após a operação e, sobretudo,
quanto tempo é que tem de esperar para desfrutar
do resultado final. «Não correr riscos, minimizar
as dores e proporcionar uma recuperação rápida
ao paciente são a base de qualquer cirurgia plástica», revela o cirurgião plástico.

Liposucção

Esta intervenção está destinada a corrigir as zonas corporais nas quais há acumulação
de gordura que não se consegue eliminar com regimes alimentares, cosméticos
adelgaçantes, exercício físico e tratamentos de beleza. Mediante esta técnica, pode aspirar-se gordura de distintas partes do corpo (ancas, coxas, joelhos, braços, abdómen, rosto ou tornozelos). Normalmente, esta intervenção realiza-se com anestesia local e sedativos, mas em
alguns casos usa-se anestesia geral. E é feita sempre numa sala de operações.

Uma vez realizada a cirurgia, utiliza-se uma ligadura ou uma cinta elástica, de acordo
com a zona a operar. O tempo de recuperação depende das áreas a tratar. Geralmente, passa-se uma noite no hospital e, três a sete dias depois, pode regressar ao trabalho. Relativamente ao que se sente, e de acordo com José Amarante, este «não é um pós-operatório muito doloroso,
embora os inchaços, os edemas e as nódoas negras fiquem visíveis e preocupem
os pacientes».

Quanto aos resultados, o especialista revela que «são imediatos, mas é ao fim de três meses que a zona submetida à
liposucção volta completamente à normalidade». Deve ter em conta que, se antes da operação a pele estava flácida, podem
notar-se irregularidades ou zonas deprimidas que poderão ser corrigidas
com liposucções selectivas ou posteriores injecções de gordura.

Blefaroplastia

Esta cirurgia consiste em extrair gordura e excesso de pele
das pálpebras superiores e inferiores. O procedimento realiza-se numa sala de operações, mas os
paciente ficam na clínica apenas algumas horas
após a cirurgia.

Costuma recorrer-se ao efeito de anestesia local
e sedativos, se bem que também se pode
fazer sob anestesia geral, se o cirurgião preferir. Depois da cirurgia, é habitual aplicar uma
pomada para lubrificar os olhos e, em alguns
casos, usa-se uma venda suave. Geralmente, as pálpebras ficam inchadas
durante uma ou duas semanas e as sequelas
podem ser disfarçadas com maquilhagem.

«Os olhos ficam pisados durante uma semana
e os pontos são retirados quatro dias
ou uma semana depois da cirurgia», refere o
cirurgião plástico. José Amarante conta que «não se sente
praticamente dor», mas podem surgir algumas
nódoas negras.

Quanto aos resultados,o especialista revela que, 15 dias depois, as pálpebras voltam ao
normal e o resultado definitivo vê-se ao fim um mês.
Além disso, saiba que see usa lentes de contacto só as poderá usar
duas semanas depois, embora, algumas
pessoas possam sentir algum desconforto
por mais tempo.


Veja na página seguinte: O pós-operatório da abdominoplastia

Abdominoplastia

Esta intervenção consiste em retirar excesso
de gordura e de pele abdominal, corrigindo
a flacidez muscular.

Realiza-se sob efeito de anestesia geral,
fazendo-se uma incisão por cima da púbis
e prolongando-a até às ancas. A operação requer duas noites de internamento.
É necessário tomar analgésicos durante
os primeiros três ou quatro dias.

«Ao
fim de 15 dias já pode retomar a sua vida,
mas com alguns cuidado», explica José Amarante.
Deve-se usar uma cinta durante um ou
dois meses, que pode ser reforçada por uma
ligadura. Deve-se começar a andar tão cedo
quanto possível.

«Quando se retira o excesso de gordura e pele
quase não se sente dor, mas quando se mexe
nos músculos a dor é um pouco mais forte»,
revela o cirurgião plástico. «A pele junto da cicatriz
fica insensível, daí que chamemos sempre
a atenção dos pacientes para o perigo de,
por exemplo, se queimarem por perderem
a sensibilidade naquela zona», acrescenta.

«Um mês a um mês e meio depois da intervenção,
os resultados já são notórios. A cicatriz
pode demorar um ano a ficar com o seu
aspecto final», afirma.
Além disso, quando o estado físico anterior à cirurgia
é bom, a recuperação é muito mais rápida.
A prática de exercício físico acelera a recuperação.

Lifting

Esta operação realiza-se numa sala de operações, com anestesia
local e sedativos ou anestesia geral, dependendo
da complexidade da intervenção.
Depende da envergadura da intervenção,
mas costuma provocar pouco incómodo.
«Aparecem inchaços e nódoas negras, que
desaparecem ao fim de 15 dias. Durante uma
semana, não poderá lavar a cabeça, onde estão
os pontos», explica o cirurgião plástico.
As cicatrizes ficam tapadas pelo cabelo.

«Se as pessoas não estiverem preparadas, ficam
chocadas com o seu aspecto, pois parecem
ter tido um acidente devido aos edemas
e hematomas», avisa o director do Serviço
de Cirurgia Plástica Reconstrutiva Estética
e Maxilo-Facial do Hospital de São João.

Relativamente a resultados, convém que saiba que o inchaço desaparece geralmente em 15 dias,
e seis meses depois consegue-se ver o resultado
definitivo. É aconselhável que evite actividades extenuantes durante duas
semanas. Saunas e banhos a vapor são proibidos
e deve evitar a exposição solar durante
uns meses.

Mamoplastia de aumento

Esta intervenção realiza-se numa sala de operações, com anestesia
geral e é necessário ficar internada no
hospital. No que toca ao tempo de recuperação, saiba que tal depende da técnica usada mas, por regra,
três a quatro dias depois já se pode começar a
trabalhar e conduzir. Os pontos são retirados
sete ou dez dias após a cirurgia.

Durante dois ou três dias, as pacientes sentem
uma ligeira dor e «caso se tenha mexido
nos músculos é normal que a dor seja maior»,
explica José Amarante. «O inchaço começa
a desaparecer ao fim duas semanas e a sensibilidade
da mama recupera-se num mês;
a sensibilidade do mamilo mantém-se sempre», acrescenta.

«Os resultados vêem-se um mês depois e as cicatrizes
podem demorar um ano a recuperar,
embora 20 dias depois já tenham um aspecto
aceitável», afirma o cirurgião plástico. Além disso, deve seguir o controlo mamário adequado
a cada idade, mas não se esqueça de dizer
que tem próteses mamárias.


Veja na página seguinte: O desconforto da rinoplastia

Rinoplastia

A rinoplastia pode ser feita com anestesia geral ou com
anestesia local e sedativos, dependendo da
magnitude e da deformidade ou traço no qual
se vai intervir e requer um dia de internamento.

«O inchaço, as nódoas negras e os olhos pisados demoram oito dias a desaparecer», alerta
José Amarante.
Recomenda-se permanecer na cama com
a cabeça o mais levantada possível.
Para tratar a inflamação, pode-se recorrer a
compressas frias que aliviam bastante a zona.

«O paciente tem de usar uma tala de alumínio,
pois na rinoplastia o nariz é partido e pode
sentir uma dor ligeira. Não deve usar óculos,
pois o nariz poderá não aguentar o seu peso», acrescenta o especialista. Quanto a resultados e mudanças, saiba que o nariz muda de forma progressiva e «o resultado
final vê-se após seis meses, no entanto,
no fim do primeiro mês 95 por cento das
alterações já são visíveis», refere o cirurgião
plástico. Tenha consciência que este pós-operatório requer paciência
já que se trata de um processo gradual.
Tem que se dar tempo para que os tecidos
assentem.

Texto: Rita Caetano

artigo do parceiro:

Comentários