A nova geração da cirurgia estética

Os últimos avanços e as técnicas mais inovadoras

Novos e potentes lasers, próteses em lugares inesperados, bisturis de nova geração...

Nos últimos anos, multiplicaram-se os avanços e as inovações na área de cirurgia estética.

As mulheres estão cada vez mais exigentes e já perderam o medo. Apesar da crise, o número de procedimentos cirúrgicos desta natureza têm vindo a aumentar.

Estes são alguns dos avanços e das técnicas inovadoras apresentados internacionalmente nos últimos tempos:

Ultrassons para reduzir a flacidez

As dietas de emagrecimento e o passar dos anos deixam o corpo mais mole e mais flácido. Body tite de Invasix é uma técnica recente que têm vindo a ser validada pelos profissionais que a ela recorrem, uma vez que consegue que a pele que se
encontra flácida se retraia
e se adapte à nova silhueta.

Trata-se de uma lipoescultura associada
à ação de ultrassons. O Body Tite é um aparelho com
capacidade de produzir ultrassons que são transmitidos
através de um sistema que funciona paralelamente
à própria cânula de lipoescultura.

O sistema da lipoescultura, com uma
cânula introduzida debaixo da pele diretamente na
gordura, é acompanhado paralelamente por uma placa
circular (elétrodo) que está do lado exterior da pele e
que emite ultrassons para a própria cânula. «Os ultrassons têm uma ação de coagulação térmica (atingem
temperaturas até aos 40 graus) e fazem com que haja
uma rutura da membrana adiposa. A grande vantagem
é romper a membrana, a gordura sair sob a forma
de geleia e haver uma ótima coagulação sanguínea»,
explica Biscaia Fraga, diretor do Serviço de Cirurgia Plástica
Maxilo-Facial do Hospital Egas Moniz, em Lisboa.

Os resultados são consolidados ao fim de
dois meses. Durante seis meses, os pacientes são acompanhados
com regularidade. «Na minha ótica, é especialmente indicada
para senhoras de meia-idade ou com idade mais avançada
com gordura moderada e pele moderadamente flácida.
Por exemplo, na face interna das coxas consegue-se
retirar a gordura e realizar-se uma ótima adaptação da
pele», refere Biscaia Fraga.

Esta novidade ainda se encontra
numa fase de poucos meses de treino, pelo que a duração
da intervenção pode demorar mais do que seria
suposto. «É uma técnica promissora que está a ser utilizada
em casos de gordura localizada de grau moderado.
A grande curiosidade é que consegue que a pele que se
encontra flácida se retraia e se adapte à nova condição»,
adianta o cirurgião plástico. É utilizada anestesia local ou
local com sedação. Recorrer a este tratamento custa entre 2.000€ e 5.500 €.


Veja na página seguinte: O laser que elimina (mesmo) gordura

O laser que elimina gordura

Também indicado para situações de flacidez, o Laserlipólise (Smart Lipo) permite substituir o bisturi
pelo laser.

Esta tem sido uma opção elogiada para situações em que quando,
além do excesso de gordura, existe
um certo grau de flacidez na pele
da zona lipoaspirada.

A aplicação do laser de Neodimio Yag diretamente
no tecido gorduroso destrói os adipócitos e aspira a
gordura, reduzindo volume e diminuindo centímetros.

É o laser mais coagulante de todos os usados em
medicina, pelo que há menos possibilidades de sangramento,
tanto durante como depois da intervenção, limitando também
a inflamação e o aparecimento de hematomas. Segundo
Biscaia Fraga «esta técnica tem apenas o inconveniente de ser
mais demorada do que outras técnicas de lipoaspiração, mas em
termos de coagulação, a vantagem é muito grande».

O laser é conduzido por uma cânula de 1
milímetro, que se introduz no tecido através de uma incisão
mínima. A fibra ótica que contém a cânula permite trabalhar
com transluminação, de forma a controlar a sua posição exata
durante todo o procedimento. O tecido gordo destruído pelo
laser é aspirado com outra cânula.

O laser gera um calor que propicia a contração
do colagénio (responsável pela firmeza cutânea) sendo o efeito final da lipo mais bem conseguido nos casos de flacidez
ou de excesso de pele. Também proporciona melhores
resultados em zonas a que é difícil aceder com um instrumento
convencional. Biscaia Fraga adianta que «quando se
trata de situações moderadas como, por exemplo, uma gordura
localizada em redor do umbigo de uma senhora elegante,
o resultado é muito positivo. Se se trata de toda uma parede
abdominal volumosa, é totalmente impossível com esta
técnica, em 70 minutos, conseguir-se um bom resultado».

Este tratamento recomenda-se a pessoas do sexo
feminino, dos 40 aos 50 anos, porque têm uma pele mais
delicada e menos espessa do que as do sexo masculino. Por
via de regra, é mais adequada para mulheres elegantes e que
têm um ou outro tecido adiposo localizado. É a melhor técnica
para tratar zonas com flacidez como a papada, o joelho,
as coxas e as acumulações de gordura que se produzem ao
redor da axila.

Este tratamento realiza-se com anestesia local, através
de uma infusão de Klein (fórmula que combina soro fisiológico
e adrenalina para a vasoconstrição e lidocaína, de efeito
anestésico). É ambulatória, pelo que não necessita de internamento.
Pode também recorrer-se a anestesia local com
sedação. Custa, em média, entre 1.900 e 4.000 €.


Veja na página seguinte: A dupla cirurgia que lhe devolve uns glúteos firmes

A dupla cirurgia que lhe devolve uns glúteos firmes

Já não precisa de passar horas e horas no ginásio. Agora pode recorrer a uma combinação de
duas cirurgias, a lipoaspiração
e a gluteoplastia, para conseguir uns glúteos perfeitos.

Esta cirurgia dupla, muito em voga nalguns países, incide numa zona habitualmente esquecida nas liposucções
convencionais, as almofadas supra-glúteas, uma área na região
inferior das costas, em forma de losango, limitada pelas covinhas correspondentes
às espinhas ilíacas junto ao final do sulco interglúteo.

Usam-se fundamentalmente duas técnicas neste processo.
«Atualmente, o melhor resultado é conseguido através da eliminação
da gordura da cintura e das ancas (liposucção), que depois é colocada
na zona glútea, para lhe conferir relevo. Em alternativa, pode
colocar-se próteses nos glúteos (gluteoplastia)», comenta Biscaia Fraga.
Para além disso, a liposucção também consegue extrair o excesso
de gordura sacro-ilíaca e recuperar o redondo das nádegas.

Ao eliminar o excesso de gordura nas almofadas supra-glúteas, a pele retrai-se e produz uma tração para cima que consegue
um efeito ótico de levantamento. Também se consegue melhorar
a qualidade da pele. «Os resultados são muito bons e os pacientes
ficam muito satisfeitos», assegura o especialista.

Para quem tem celulite ou quem quer uns glúteos mais
harmoniosos. «Desde que os glúteos brasileiros entraram no país, as
mulheres deixaram-se influenciar. No entanto, há também homens
que procuram esta combinação de técnicas, confessa Biscaia Fraga».

Realiza-se um rigoroso estudo pré-operatório
que é uma das chaves do êxito da intervenção. Necessita de anestesia
local ou local com sedação e requer internamento, pelo menos, de
uma noite (no caso da gluteoplastia com prótese). A paciente deve
usar uma faixa compressiva durante três semanas. Podem surgir inflamação
e hematomas que desaparecem ao fim de 10 a 15 dias.

«Também
se pode sentir um certo desconforto que corresponde a pressão
naquela zona durante uma semana. Os pacientes devem tomar um
relaxante muscular», aconselha Biscaia Fraga. Uma liposucção mais gluteoplastia custa entre 2.500 a 4.500 €. Uma gluteoplastia com próteses ou implantes pode custar, em média, entre
3.800 € e 6.500 €.


Veja na página seguinte: O bisturi ultrasónico que reduz o sangramento

Bisturi que reduz o sangramento

Uma máxima precisão é o que lhe promete o Bisturi ultrasónico
(Harmonic-synergy). Além de um sangramento
mínimo, este novo bisturi
consegue reduzir o risco
de complicações.

Este sistema funciona mediante ultrassons, permitindo
cortar tecidos com muito mais precisão e minimizando o
risco de hemorragias.

Biscaia Fraga já utiliza bisturi ultrasónico
há alguns anos e reconhece os avanços recentes.


«A grande diferença é que a coagulação dos tecidos era
feita a quente. Atualmente, o tecido fica frio e as proteínas
dos tecidos não são alteradas. A grande vantagem
é a de se poder trabalhar junto aos nervos e olhos», afiança.

O bisturi converte a energia elétrica
em mecânica e funciona a temperaturas mais baixas do
que os sistemas de eletrocirurgia convencionais, diminuindo
o dano nos tecidos adjacentes à zona do corte.
«Num face-lift, a face fica muito menos inchada e a recuperação
é muito mais rápida», revela.

Este método permite realizar reconstruções mais
complexas e sofisticadas que as técnicas convencionais.
«No bisturi clássico, os tecidos levavam mais
tempo a recuperar. Com o bisturi ultrasónico, os
tecidos recuperam muito mais rapidamente porque
foram menos lesados», comenta o especialista.

O bisturi ultrasónico está especialmente indicado para intervenções
de contorno corporal de abdómen, mama e nos
tecidos delicados, como a face e as pálpebras, e todos os
doentes em que se suspeite que possa haver complicações
(diabéticos, por exemplo). «O ato cirúrgico é mais
rigoroso e há menos complicações», recomenda Biscaia
Fraga. O inconveniente é o preço, porque o aparelho
é muito mais caro do que o anteriormente utilizado.

O seu uso melhora notavelmente
o período pós-operatório, reduzindo tanto
a duração do mesmo como os dias de drenagem. O recurso a este tratamento custa entre 750 € e 3.500 €


Veja na página seguinte: A cirurgia que lhe permite ganhar altura

A cirurgia que lhe permite ganhar altura

As portuguesas são, regra geral, de estatura baixa ou média. O aumento da estatura com cirurgia já é, contudo, possível através de uma nova cirurgia que permite fazer crescer o
osso cerca de um milímetro por dia, em média.


Bailarinas, bombeiros, hospedeiras,
militares do exército são alguns
exemplos de profissionais que
recorrem à cirurgia estética
para crescerem uns centímetros
e ascenderem na carreira.

A técnica foi testada com êxito em pacientes
com traumatismos, mas nunca tinha sido confirmada
na cirurgia estética. «Tem sido predominantemente
uma cirurgia reconstrutiva», reconhece Biscaia Fraga.
«A parte estética intervém muito devido a objetivos
profissionais. Tratei duas bailarinas que não tinham altura
suficiente para desenvolver esta atividade».

Nos membros inferiores, consegue-se aumentar o comprimento dos ossos longos, colocando um aparelho metálico, em que se faz uma distração
(alongamento) sujeita a uma pressão mecânica. Tem um
sistema que roda e o osso cresce.

«Fazemos isto com
muita frequência para deformações traumáticas da face
(destruição da mandíbula) ou para malformações congénitas.
Promove-se o aumento do osso um milímetro
por dia, explica Biscaia Fraga». Contudo, prossegue o
especialista, «a cirurgia estética no nosso país dedica-se
sobretudo aos ossos delicados, como os da face e da mão».

«Hoje em dia, podemos afirmar com todo
o rigor que é possível crescer em altura e crescer tridimensionalmente
os ossos da face e das mãos através da
técnica de distracção óssea, assegura Biscaia Fraga. Este procedimento é recomendado para pessoas complexadas com a sua baixa
estatura e para as que necessitam de uns centímetros a
mais para ascenderem a um determinado posto de trabalho (modelos profissionais, bailarinas, entre outros).

Recomenda-se a anestesia geral
com internamento de um dia para o outro. O próprio
paciente tem de ser vigiado e participar ativamente no
tratamento. O custo deste procedimento depende de múltiplos fatores e só pode
ser fornecido mediante cada caso clínico.


Veja na página seguinte: As últimas tendências na recuperação

As últimas tendências na recuperação

«Hoje em dia, o paciente pode ter uma recuperação
muito rápida após a anestesia porque há fármacos que
neutralizam a ação dos produtos anestésicos. Passados
cinco minutos, o paciente que estava numa fase de
sedação de grau III (a dormir profundamente), passa a
estar lúcido e com um discurso coerente», comenta
Biscaia Fraga.

«Os implantes mamários merecem ter um registo
para saber a origem de fabrico, do material e há quanto
tempo foi implantado», alerta o especialista.

O grande objetivo é verificar
se os implantes mamários estão a ser realizados com
qualidade bem como acompanhar cada caso ao longo
do tempo. «O próprio Infarmed pretende que esta
ideia avance, uma vez que este registo ainda é muito
individualizado. Os médicos em geral concordam com
esta ideia, desde que seja preservada a identidade do
paciente», refere ainda.


Dúvidas? Pergunte
ao cirurgião!
A informação detalhada
por parte do médico que
vai realizar um tratamento
de medicina estética é
fundamental para saber
exatamente em que consiste
e o que pode esperar
dele. Caso persistam dúvidas
ou necessite de algum
esclarecimento, pode contactar
o especialista entrevistado
para este artigo. Na sua
clínica realizam-se todos
os tratamentos e avanços
científicos aqui referidos.

artigo do parceiro:

Comentários