Envolva os seus filhos nas tarefas domésticas

Integrar as crianças desde cedo nas rotinas familiares, faz deles adultos mais responsáveis e organizados. Descubra como pode envolvê-los nas tarefas domésticas, sem que eles façam birra.

Existem tarefas que podemos deixar a cargo dos nossos filhos, nada de muito complicado mas que promova responsabilidade, independência, organização e entreajuda, valores fundamentais na educação de qualquer criança.

Comece por transformar as tarefas domésticas em momentos divertidos e lúdicos para que não pareça uma obrigação. Assim, não só irá estimular o desenvolvimento da criança corretamente como ainda conseguirá criar memórias e passar algum tempo em família enquanto trabalham como equipa. Desde as mais simples, a tarefas mais complexas, deve saber o que é apropriado às crianças de cada idade. Pode sempre tornar as atividades mais divertidas se as converter em pequenas competições: use um cronómetro e ofereça uma recompensa a quem acabar primeiro de arrumar o próprio quarto ou quem dobra as meias mais rápido.

Quando ainda são pequeninos, com dois ou três anos, comece por encorajar os seus filhos a arrumar os brinquedos, livros e jogos com que brinca. Embora esta seja uma idade em que atrapalham mais do ajudam, terá de os acompanhar para completarem as atividades. Porém, como o objetivo é mante-los ocupados, esta é sempre uma boa ideia. Outras tarefas simples incluem colocar a roupa suja dentro da máquina ou alimentar os animais de estimação. O importante é ir criando rotinas e não ser apenas atividades que as crianças têm de fazer esporadicamente.

Entre os quatro e cinco anos, as crianças podem já começar a fazer as tarefas de forma mais independente, podendo adicionar algumas coisas à lista anterior: ajudar a arrumar as compras do supermercado e a pôr e levantar a mesa. Aos seis anos, cresce a importância de lhes conferir atividades domésticas que possam iniciar e terminar sozinhos ou tarefas que confiram um grau de dificuldade maior. Fazer a cama, varrer a cozinha, regar as plantas, limpar o pó dos móveis e separar o lixo são tarefas apropriadas. A partir dos dez anos  pode começar a dar opções que acompanhem o seu crescimento e independência. As tarefas que envolvam o ir à rua, por exemplo levar o lixo ou passear o cão são ótimas ideias. Com a chegada dos doze anos e, à medida que as crianças começam a entrar na adolescência torna-se mais difícil que cumpram com as tarefas. Nesta altura é importante estabelecer uma rotina a cumprir, além de realçar as consequências inerentes a não cumprir aquilo que ficou definido. Mesmo assim, em vez de lhes pedir que lavem a loiça, envolva-os na preparação da refeição; não só aprenderão novas competências como passam a entender parte do trabalho que exige. Nestas idade, o necessário é fazê-los compreender a importância que o trabalho deles tem na família, como equipa. Por exemplo, se ajudarem mais e a divisão de tarefas for feita por toda a família terão mais tempo para fazer outras atividades como passear ou ir ao cinema. Eduque pela positiva, salientando os prós da proposta. Não menospreze, por pior que seja, uma tarefa que tenha sido feita por eles, mas converse e reflitam sobre de que formas é possível de melhorar. No caso dos adolescentes, evite trata-los como crianças de forma a que quando tiverem de ser independentes saibam fazer as coisas.

Um conselho transversal a qualquer idade é deixar o seu filho escolher o que quer fazer: que tarefas, dentro das disponíveis, é que ele mais gosta de fazer? Se for a criança ou adolescente a escolher, a probabilidade de concluir a tarefa com brio é mais elevada. E, por último, quando isto acontecer não se esqueça de os elogiar. Muitas vezes não nos lembramos que o reconhecimento e os elogios são recompensas que as pessoas apreciam sempre.

artigo do parceiro:

Comentários