Vontade de dar mordidelas (ou apertões de bochecha em bebés) têm uma explicação científica

Quer saber porque quando vimos um bebé fofinho em vez de querermos dar beijinhos preferimos morder?

"Que fofinho! Vou morder essa bochecha!"; "Só me apetece apertá-lo com força!". Estas são duas das expressões mais comuns que usamos quando vimos um bebé fofinho, com pernas gordinhas ou simplesmente com uma cara simpática. Se um bebé é algo de tão querido, porque será que a primeira reação é mordê-lo, apertá-lo, quase como se quisessemos fazer-lhe mal? A ciência explica.

Segundo um estudo realizado por investigadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, as pessoas respondem a uma emoção positiva e excessiva com uma reação contraditória. Isto acontece porque é a forma que o cérebro humano tem de equilibrar as emoções quando confrontado com situações extremas. É a mesma reação quando choramos de felicidade e rimos de nervoso.

Para testar esta teoria, os investigadores reuniram um grupo de pessoas que perante imagens de bebés queridos e fofinhos, além de reagiram com "Ah" e "Oh", usaram palavras como morder, apertar e até bater.

O estudo também concluiu que as pessoas que reagem desta forma a situações emocionais extremas têm mais facilidade de se recomporem depois emocionalmente.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários