Uma em cada três crianças tem excesso de peso

Um estudo sobre obesidade em crianças do primeiro ciclo concluiu que Portugal é um dos países com maior prevalência do problema, entre 17 países europeus, disse Ana Rito, investigadora do sistema de vigilância europeu da Organização Mundial de Saúde.
créditos: AFP

A obesidade afeta 14,6% das crianças portuguesas com idades entre os 6 e os 9 anos e 21% apresentam sinais de pré-obesidade, indica o último estudo conhecido do Sistema de Vigilância Nutricional Infantil (COSI Portugal) realizado em 2010.

O COSI (Childhood Obesity Surveillance Initiative) é um sistema promovido pela Organização Mundial de Saúde e estuda, de forma padronizada, as crianças de dezassete países europeus (Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Malta, Noruega, Portugal, Eslovénia, Suécia, Grécia, Hungria, Macedónia e Espanha).

Em termos gerais, e apesar de terem passado mais de três anos sobre o último estudo, a responsável disse acreditar que os níveis de obesidade infantil no país se manterão estabilizados, afirmando que “uma em cada três crianças tem excesso de peso”.

Os dados são referentes a uma amostra de cerca de cinco mil crianças de todo o país que frequentam o ensino primário.

“A obesidade infantil é das doenças mais prevalentes na criança e é um problema geral”, tudo aquilo que “integre o ambiente que envolve a criança é importante para corrigir estas questões”, alertou a nutricionista.

Família é a principal culpada

Quanto aos fatores que influenciem esta situação, Ana Rito disse que “a família está no topo da lista, porque os pais são os educadores”, porém, não é possível identificar um agente único.

Comentários