Reino Unido autoriza reprodução assistida com o ADN de três pessoas

Os deputados britânicos autorizaram esta terça-feira a conceção de bebés a partir do ADN de três pessoas, abrindo caminho para o Reino Unido se tornar o primeiro país do mundo a adotar este controverso procedimento.
créditos: AFP

Por 382 votos a favor e 128 contra, os deputados da Câmara dos comuns aprovaram a autorização para a conceção de bebés através da fertilização in vitro com o ADN de três pessoas, uma técnica denominada doação mitocondrial.

A decisão destina-se a evitar que doenças genéticas graves sejam transmitidas de mãe para filho, e a medida legislativa vai agora passar para a Câmara dos Lordes. Caso seja aprovada, o Reino Unido será o primeiro país do mundo a legalizar a reprodução assistida com os genes de três pessoas.

Após a aprovação da legislação, as mulheres que quiserem praticar este ato deverão pedir autorização ao “Human Fertilisation and Embryology Authority” (Autoridade de Fertilização e Embriologia Humana, HFEA), o organismo britânico responsável em matéria de bioética.

Os primeiros bebés, nascidos desta técnica de combinação do ADN de duas mulheres e de um homem, poderão nascer a partir de outono de 2016.

Como funciona?

A nova técnica permite que uma mãe com um ADN mitocondrial defeituoso ceda o núcleo do óvulo, que é depois enxertado no óvulo doado por uma mulher saudável (após ser-lhe retirado o núcleo). Este óvulo combinado é depois fecundado in vitro pelo esperma do pai.

Na prática, a informação genética recebida pela criança é quase na totalidade a dos "progenitores": apenas 0,1% ou 0,2% corresponderão ao ADN mitocondrial da mulher que doou o óvulo saudável.

Comentários