Reformas educativas do Brasil são um exemplo a seguir, diz Unicef

O relatório anual da Unicef apresenta esta terça-feira (28.06) como exemplo as reformas educativas do Brasil, que em nove anos aumentaram as taxas de matrícula dos jovens de 15 anos de 65 para 78%.
créditos: AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA

Intitulado “Uma oportunidade justa para todas as crianças”, o relatório anual do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), esta terça-feira divulgado, alerta para a urgência de investir nas crianças mais pobres do mundo, sob pena de deixar para trás milhões de crianças.

No capítulo dedicado à Educação, a Unicef cita alguns bons exemplos: “O Brasil e o Vietname oferecem lições valiosas sobre como reformar os sistemas educativos”.

Segundo o relatório, reformas múltiplas que começaram nos anos 1990 no Brasil permitiram melhorar as taxas de matrículas dos adolescentes e os desempenhos escolares.

Entre 2003 e 2012, as taxas de matrícula dos adolescentes de 15 anos aumentaram de 65 para 78% e muitas das crianças que entraram nessa altura no sistema educativo provinham de meios socioeconómicos desfavorecidos.

No mesmo período, os resultados médios dos alunos brasileiros no PISA (Programa para a Avaliação Internacional dos Estudantes) aumentaram 25 pontos.

Entre os estudantes mais desfavorecidos, o aumento foi de 27 pontos, segundo aquele programa de avaliação, feita a cada três anos pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Entre as reformas que produziram estes resultados esteve a criação de uma comissão independente de avaliação, que se tornou o Sistema de Avaliação do Ensino Básico e serve hoje como um mecanismo transparente de avaliação e como um método comum de medição dos desempenhos na aprendizagem, escreve a Unicef.

Como resultado das avaliações, as escolas mais bem sucedidas ganham mais autonomia, enquanto as que registam piores resultados recebem apoio para melhorar os padrões.

Os autores do relatório acrescentam que o Brasil também aumentou o financiamento da Educação, que em 2012 atingiu 6,3% do Produto Interno Bruto.

A formação de professores e o programa Bolsa Escola, que prevê transferências de dinheiro para as famílias mais pobres, também contribuíram para melhorar a Educação no Brasil, segundo a Unicef.

O exemplo do país lusófono “mostra que acelerar o progresso educativo para as crianças mais desfavorecidas pode ter resultados positivos”.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários