Flexibilização do currículo é "mais prudente" só em algumas escolas, dizem diretores

Os diretores das escolas defenderam esta quarta-feira (15/03) que é mais prudente avançar apenas com a flexibilização curricular nalgumas escolas, sob a forma de projetos-piloto, uma ideia avançada num encontro que tiveram com o Ministério da Educação.
créditos: Pixabay

Filinto Lima, da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas, diz que participou há cerca de 15 dias numa reunião com elementos do Ministério da Educação, onde esteve o secretário de Estado, que “passou a ideia de que a flexibilização curricular não seria generalizada no próximo ano letivo”. “É para avançar no próximo ano letivo, mas em algumas escolas. O secretário de Estado deixou a ideia de que seria um projeto-piloto e nós apoiamos essa ideia. É mais prudente”, afirmou Filinto Lima.

O jornal i escreve que o primeiro-ministro “deu instruções a Tiago Brandão Rodrigues para não avançar com a flexibilização curricular e evitar riscos no arranque do ano letivo”, que este ano começará a cerca de um mês das eleições autárquicas.

Questionado pela Lusa, Filinto Lima considerou que já não há muito tempo para que o processo pudesse avançar em todas as escolas: “as escolas ainda estão a dar parecer sobre o documento e estamos muito e cima do acontecimento”. “Trata-se de mudanças estruturais muito importantes e, se for para avançar no próximo ano letivo apenas com projetos-piloto, a estratégia não estará mal pensada”, afirmou Filinto Lima, sublinhando que a oposição também se deveria envolver.

“É uma boa estratégia, mas achamos que deveria ser mais alargada aos partidos da oposição. Uma matéria tão importante como o currículo dos alunos, a par da avaliação, devia merecer comprometimento também da oposição”, defendeu.

50 escolas com projeto-piloto

Quanto às escolas que testarão o projeto-piloto – que o jornal i diz serem 50 –, Filinto Lima explicou que tanto podem ser os estabelecimentos escolares a propor avançar com projetos como o Ministério a convidar as escolas.

Comentários