Dia Mundial do Professor assinalado na rua com contestação e livros

Organizações sindicais e movimentos independentes assinalam no domingo o Dia Mundial do Professor com uma manifestação em Lisboa, do Rossio para o Largo Camões, durante a qual serão distribuídos livros à população.
créditos: LUSA

Cada professor foi desafiado a levar um livro que considere importante e queira partilhar com quem passa na rua, explicou aos jornalistas o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (FENPROF), Mário Nogueira.

A ação reúne sete organizações sindicais, a habitual plataforma que tem agido com a FENPROF, estando também a circular a divulgação da iniciativa através de movimentos independentes de professores.

À margem de uma conferência de imprensa da FENPROF, em Lisboa, o dirigente da maior estrutura sindical de professores revelou que escolheu um livro de José Saramago para oferecer, “O Memorial do Convento”, embora também tenha pensado em “O Processo”, de Franz Kafka.

“Assim Não! Toca a Mexer…em defesa da profissão” é o lema que levará os professores à rua no dia 05 de outubro para lembrar os problemas no setor, como o atraso na colocação de professores e outras questões relacionadas com a carreira e com as condições remuneratória dos docentes.

Cortes nos salários, financiamento do ensino particular e cooperativo e municipalização da educação estão na mira das organizações representativas dos professores como medidas a rejeitar.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários