Crianças que sobrevalorizam a sua popularidade não são «bullies»

Novo estudo explica porque é que as crianças mais populares são menos agressivas com outras crianças.

As crianças que sobrevalorizam a sua popularidade entre os colegas são menos propensas a serem provocadoras do que aquelas que subestimam ou que fazem uma avaliação precisa da sua posição social, afirma um novo estudo apresentado na 108ª reunião anual da Associação Americana de Sociologia.

 

«Quanto mais as crianças sobrevalorizarem a sua popularidade, menos comportamentos agressivos apresentarão», declarou Jennifer Neal Watling, professora assistente de Psicologia na Michigan State University, nos Estados Unidos da América. «Isto significa que as crianças que foram mais precisas na avaliação do seu número de amigos ou que subestimaram a sua quantidade de amigos em relação ao que os seus colegas disseram, eram mais agressivas.»

 

Investigações anteriores sugeriam que as crianças que acreditam ser mais competentes ou queridos pelos seus pares ou professores de vê-los, julgavam-se mais agressivos. «Mas o nosso trabalho sugere que há certos tipos de preconceitos percetivos positivos que têm um lado positivo», disse a especialista. «Quando as crianças dizem que têm mais amigos do que os seus colegas dizem que eles têm, essas crianças são efetivamente menos agressivas.»

 

Este resultado é verdadeiro tanto para comportamentos declaradamente agressivos (por exemplo, bater, pontapear ou ameaçar bater nos outros) e para comportamentos relacionais (por exemplo, excluindo os outros ou espalhar boatos). Os investigadores disseram que poderá haver várias razões pelas quais os alunos que sobrevalorizam a sua popularidade não sentem a necessidade de intimidar os outros.

 

«As crianças que sobrevalorizam as suas ligações sociais também podem perceber que mais colegas estão a ver e a julgar os seus comportamentos», disse Jennifer Neal Watling. «As crianças podem ser menos propensas a envolverem-se em comportamentos agressivos que podem ser observadas e que coloquem em perigo as suas relações sociais.»

 

Outra possível razão é que os alunos que sobrevalorizam as suas ligações sociais podem ser crianças amáveis e sociáveis que acreditam que são amigos de todos. «Por outro lado, as crianças agressivas – especialmente aquelas que usam formas de agressão como o boato - podem ser mais exclusivas em quem relatam como seus amigos, levando a uma menor sobrestimativa», declarou a investigadora.

 

Quanto ao porquê de alguns alunos sobrestimarem as suas ligaçõessociais, Jennifer Neal Watling disse: «As crianças variam naturalmente na sua capacidade de perceber com precisão ligações sociais na sala de aula e as suas próprias posições sociais no mesmo espaço. Não é surpreendente que algumas crianças pensam que têm muito mais amigos do que realmente têm.»

 

 

Maria João Pratt

artigo do parceiro:

Comentários