Agência Regional de Energia do Interior promove eficiência energética nas escolas

O projeto vai ser implementado durante o ano letivo de 2014-2015

A Agência Regional de Energia e Ambiente do Interior (EnerArea) está a promover uma medida de eficiência energética dirigida às escolas, que visa a redução da fatura e a melhoria dos níveis de eficiência.

 

O objetivo da iniciativa passa por "reduzir a fatura energética do consumo elétrico dos estabelecimentos escolares", através de uma correta utilização dos equipamentos e sistemas consumidores de energia do parque escolar, refere em comunicado enviado à agência Lusa Carlos Santos, o diretor-geral da EnerArea.

 

O projeto da agência, com sede em Belmonte, surge no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC 2013-2014) e tem como destinatários todos os agrupamentos de escolas do país, sendo que, neste momento, estão já envolvidos agrupamentos de 16 concelhos.

 

O projeto vai ser implementado durante o ano letivo de 2014-2015.

 

Através da medida "Tutores de Energia nas Escolas", um programa de formação gratuito destinado a professores do quadro, a EnerArea vai criar a figura do "tutor/gestor de energia" em 120 agrupamentos de escolas do país.

 

Esta formação, que visa a aquisição de competências para a gestão energética, terá uma carga horária de 25 horas e irá decorrer em horário pós-laboral, sendo que o tutor/gestor de energia será nomeado pelo diretor do agrupamento de escolas.

 

Carlos Santos explica que o projeto "vai melhorar os níveis de eficiência energética das escolas, ao utilizar a energia de forma mais racional e eficiente" e adianta que "será também promovido o desenvolvimento de estratégias de eficiência energética".

 

Este programa de formação específico será complementado por 360 ações de sensibilização, intituladas "A Agência vai à Escola".

 

Os destinatários são os professores, funcionários e alunos, tendo como objeto a sensibilização para a utilização racional de energia e adoção de práticas comportamentais sustentáveis.

 

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários