Está grávida e vai viajar de avião? Siga estas recomendações

A eDreams, agência online de viagens da europa, apresenta um estudo onde revela quais as exigências de cada companhia aérea para mulheres que viajam em “estado de graça”, bem como uma infografia com as principais recomendações para uma viagem em segurança

Atualmente, a gravidez não é um impedimento para viajar de avião, apesar de existirem sempre, por parte das companhias aéreas, alguns cuidados e requisitos que são necessários de cumprir.

Grande maioria das companhias aéreas dão especial importância à declaração médica que ateste uma gravidez sem complicações, bem como ao tempo de gestação. A Air Berlin e Air France são as únicas em que é possível viajar, até às 36 semanas, sem a referida declaração. Todas as restantes companhias exigem a partir das 28 semanas, sétimo mês de gravidez, a apresentação do comprovativo.

No último mês antes do parto, a Air Berlin, a British Airways, a Lufthansa, a TAP e a Turkish Airways não permitem que mulheres grávidas viajem, mesmo que com atestado médico, enquanto nas restantes companhias aéreas, apesar de não ser recomendável, a viagem poder ser realizada, mediante a apresentação da declaração.

Quanto a viagens no pós parto, 7 dias é o período mais consensual e mínimo que a mãe e o bebé devem aguardar até voltar a voar, caso não tenha ocorrido intervenção cirúrgica, como é o caso de uma cesariana.

Companhias low-cost são as mais rigorosas
A análise da eDreams verificou que as companhias aéreas low-cost, como a Ryanair, Vueling e EasyJet, são as que apresentam maior rigor e restrições no que toca a viajar durante a gravidez.

Em qualquer uma destas companhias, a autorização médica é obrigatória a partir da 28ª semana de gestação, sendo que a Ryanair não permite o voo a mulheres na 32ª semana de gestação, enquanto a EasyJet, apenas não o permite a partir da 32ª semana em mulheres grávidas de gémeos ou trigémeos. Ambas as companhias recusam ainda o transporte a gestantes com 36 ou mais semanas, independentemente do tipo de gravidez.

A Vueling exige uma declaração médica para gestantes entre as 28 e as 36 semanas, tanto para gravidez simples ou de gémeos.

No pós-parto, a easyJet e a Vueling permitem à mãe e ao bebé viajar duas semanas após o nascimento, enquanto a RyanAir permite à mãe viajar após 48 horas, ou 10 dias em caso de intervenção cirúrgica, e ao bebé 8 dias após a nascença.

Recomendações para viajar grávida
Para uma viagem mais tranquila, a eDreams reforça ainda algumas recomendações para uma viagem mais confortável e segura:

1. Consultar sempre o médico antes de viajar;

2. Chegar ao aeroporto com algum tempo de antecedência para realizar os procedimentos de embarque de forma tranquila;

3. Identificar-se como “grávida” junto do pessoal da companhia aérea para que possam ajudar no embarque;

4. Utilizar meias de compressão a bordo do avião devido ao elevado risco de trombose;

5. Evitar refeições pesadas e bebidas com gás;

6. Beber muita água durante a viagem, já que o ambiente no avião é mais seco;

7. Apertar o cinto de segurança na zona pélvica, por baixo do abdómen;

8. Solicitar um lugar no corredor para poder ir à casa de banho mais facilidade;

9. Em caso de gravidez múltipla, informar-se junto da companhia aérea quais os requisitos pois poderão variar.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários