Disforia de Género. Meninos e meninas que se sentem no corpo errado

A Disforia de Género não é simples e tem gerado controvérsia no seio da comunidade científica. Um artigo da médica Áurea de Ataíde, pedopsiquiatra no Hospital dos Lusíadas.

Na verdade, muito se tem discutido acerca da natureza e eventual significado patológico destas “alterações” ao longo do desenvolvimento de crianças e adolescentes e de como as abordar do ponto de vista clínico e terapêutico.

Nas consultas de pedopsiquiatria encontramos  por vezes crianças que revelam:

  • identificação com o sexo oposto, que se expressa no desejo ou mesmo na convicção de ser de outro género sexual
  • essa manifestação corresponde a um sentimento genuíno, geralmente associado a desconforto e sensação de inadequação, de não se estar bem “na própria pele”
  • forte preferência por vestuário tipicamente usado pelo sexo oposto e rejeição pelo do mesmo sexo
  • brincadeiras ou jogos de fantasia em que assumem o papel do sexo oposto
  • preferência por brinquedos e atividades tipicamente do género oposto, bem como hábitos que habitualmente são estereótipos do sexo masculino ou feminino
  • uma grande afinidade pelos pares do sexo oposto: os meninos têm geralmente muitas amigas e as meninas estabelecem mais facilmente relações com os rapazes
  • por vezes há uma rejeição manifesta relativamente aos próprios órgãos sexuais e um forte desejo de possuir caracteres sexuais secundários tipicamente do outro sexo
O que é a Disforia de Género?

O termo Disforia de Género designa o que anteriormente (na anterior edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Perturbações Mentais) se denominava Perturbação de Identidade de Género. Na mais recente edição deste manual deixou de se considerar uma “perturbação” e passou a ser referido como “disforia” ou seja, ansiedade, angústia ou mal-estar.

O diagnóstico Disforia de Género refere-se a uma evidente "incongruência entre o género que é experimentado ou expresso por um indivíduo e aquele que lhe é atribuído" (DSM-V).

Rapazes e raparigas exibem um conjunto de comportamentos que assinalam uma forte identificação com o sexo oposto e vivenciam-no geralmente com mal-estar ou angústia – esta é uma das condições para que se considere este diagnóstico.

A maior parte das manifestações que caracterizam a Disforia de Género tem início em idade pré-escolar, entre os 2 e os 4 anos, sendo os rapazes mais frequentemente referenciados às consultas do que as raparigas. Isto pode traduzir uma maior intolerância social (pares, pais e professores) face aos comportamentos efeminados dos rapazes do que em relação às meninas que exibem comportamentos masculinos.

Comentários