Diversificação alimentar na infância: as normas consensuais

Durante os primeiros meses de vida, o bebé alimenta-se exclusivamente de leite materno e/ou infantil. A partir dos 4 a 6 meses o leite não é suficiente para suprir as necessidades nutricionais do bebé. Nesta altura, a maturidade gástrica e digestiva já permitem a introdução de novos alimentos. Um artigo de Ana Rita Lopes, nutricionista e responsável pela Unidade de Nutrição do Hospital Lusíadas Lisboa.

Antes de iniciar a aventura da diversificação alimentar, é fundamental relembrar o cuidado de introduzir um alimento de cada vez, com o intervalo de 3 a 5 dias entre cada um, de forma a identificar mais facilmente qualquer possível reação adversa ao alimento. Por outro lado, também permite que seja dado tempo para educar o paladar do bebé ao gosto pelos novos alimentos.

A partir dos 4 meses

Aos 4-6 meses, o leite materno ou o leite infantil deve continuar a ser a base da alimentação do bebé e o alimento principal para satisfazer as suas necessidades nutricionais (pelo menos 500ml por dia).

O primeiro alimento a ser introduzido deverá ser uma sopa de legumes ou uma papa sem glúten. Em bebés que não tenham baixo peso, é usual iniciar a diversificação alimentar com sopa, por ser menos adocicada e ter menor valor energético.

  • Puré de legumes: As primeiras sopas deverão ser apenas compostas por legumes. Comece com um puré de legumes simples, apenas com batata ou batata-doce, cenoura e abóbora. Gradualmente pode introduzir outros legumes, como alface, courgette, cebola, alho francês, feijão-verde, brócolos e agrião, respeitando o intervalo mínimo de 3 dias entre cada um. Os espinafres, o nabo, a nabiça, a beterraba e o aipo só deverão ser introduzidos a partir dos 12 meses de idade, uma vez que contêm elevado teor de nitrato e fitato. Os legumes podem ser cozidos em água ou a vapor e sem adição de sal. Adicione uma colher de chá de azeite (5-7ml), no final da confeção. Assegure-se que tritura bem os legumes cozidos até que fiquem com uma consistência muito cremosa.
  • Papa de cereais sem glúten: Devido ao seu sabor simples e textura suave, à sua riqueza nutricional e à sua fácil digestão é, a par da sopa, o alimento ideal para iniciar a diversificação alimentar.
  • Puré de fruta: Preferencialmente fruta da época e bem madura, começando pela maçã cozida, pera cozida e banana. Não deverá adicionar açúcar à fruta (mesmo à fruta cozida). No primeiro ano de vida é importante evitar as frutas mais alergénicas: kiwi, morangos, frutos silvestres e maracujá.  Os frutos devem ser oferecidos individualmente e não sob a forma de puré de vários frutos, de forma a permitir o treino do paladar.
A partir dos 6 meses
  • Papas de cereais com glúten: se já introduziu as primeiras papas sem glúten, é o momento de iniciar as papas com glúten, uma vez que a introdução do glúten deve acontecer antes dos 7 meses. É necessário ter em atenção se estamos a optar por uma papa láctea, que já contém leite na sua composição e que deve ser preparada com água, ou por uma papa não láctea, que deve ser preparada com o leite que o bebé está a tomar (leite materno ou leite infantil). Por volta dos 7 meses, pode experimentar o pão (pão branco).
  • Carne: As primeiras carnes a introduzir deverão ser carne de frango, peru, coelho e vitela. A carne deve ser previamente cozinhada e triturada e só depois misturada no puré de legumes. Devemos começar com cerca de 10-15g de carne, por dia.  

Comentários