Jorge Corrula: “É mais sexy o que não se vê”

Entrevista com um ator que fala de moda com originalidade e sem complexos

O ator Jorge Corrula admite que é indeciso em matéria de moda e que volta atrás para mudar de roupa. Não gosta de ir em “rebanhos” e incita os homens a serem mais originais. Aconselha as mulheres a deixarem de usar mini-calções. Afinal, “é mais sexy o que não se vê…”

O Jorge Corrula tem por hábito escolher looks que fogem do tradicional. Tem um cuidado especial com a imagem?
Sim, preocupo-me. Só quando vou despejar o lixo é que acontece ir de pijama (risos). Mas por exemplo, não ponho riscas com quadrados, embora agora esteja na moda também. Acho que isso saiu da mente de alguém que não tinha noção (risos). Penso que, hoje em dia, em termos de moda, se pode fazer tudo.

Considera-se vaidoso?
Sim, sou vaidoso, penso naquilo que vou vestir. Às vezes acontece-me voltar ao quarto para mudar de roupa. A Paula (Lobo Antunes, mulher do ator) nessas coisas é mais prática.

O que leva a desistir de determinada roupa?
Sou indeciso! Mas, às vezes, também sou muito prático e visto a primeira coisa que me aparece no guarda-fatos. Depende dos dias.

E como faz compras? Através da internet ou nas lojas?
Compro muita coisa pela internet. Hoje em dia, os homens têm pouca escolha. São as quatro ou cinco lojas do costume e acabou. A internet ainda tem muitas coisas e mais baratas.

O fator preço é determinante?
Cada vez mais acontece-me, se calhar por ter sido pai, ir a caminho da caixa com uma roupa e perguntar-me se preciso mesmo daquela peça. Deixo-a no balcão e saio da loja.

Já lhe aconteceu devolver alguma compra que tenha feito por impulso?
Já. Aconteceu-me na semana passada comprar um fato, que nem foi barato, voltei atrás e devolvi-o na hora. O rapaz que me atendeu ficou um bocadinho chateado, até porque lhe tinha dado tanto trabalho, mas desisti de uma coisa que tinha comprado por impulso.

Também raramente o vemos de gravata em situações mais formais…
Acho que a gravata significa muitas coisas nos dias de hoje. Está muitas vezes associada ao colarinho branco (risos). Os próprios políticos, hoje em dia, quando querem aparentar que são pessoas sérias tiram a gravata… Mas não tenho esse estigma porque me considero uma pessoa realmente séria. Quando escolho uma gravata não tem tanto a ver com o evento, mas mais com o que vou vestir. Se tenho uma gravata que condiga com a roupa, que ache gira, ponho. Caso contrário, não ponho.

Pede opinião a Paula Lobo Antunes, sua mulher?
Isso sempre, e ela a mim. E somos sinceros. Se acharmos que algo não fica bem, dizemos. Das vezes que ela apareceu mal vestida em público, eu não estava com ela e vice-versa (risos).

É uma pessoa atenta aos que outros vestem, às tendências?
Não. Só estou atento às tendências para deixar uma tendência quando algo começa a ser uma tendência. Aí deixo de vestir. Não gosto de rebanhos.

Que peça de roupa não vestiria agora?
É difícil, as tendências mudam muito depressa… Mas, por exemplo, as camisas aos quadrados de pescador, que no meu tempo eram horríveis e ninguém vestia, agora estão moda. Como nunca gostei delas, também seria incapaz de as vestir agora.

Deixe aqui um conselho de moda para os homens…
É chavão mas acho que devem vestir aquilo com que se sintam bem e ignorar as tendências. Acho que os homens não deviam ter tanto medo do julgamento dos outros.

Há alguma peça de roupa que não goste de ver numa mulher?
Acho que as mulheres não deviam usar calções no lugar de cintos. Aliás, quando a minha filha um dia quiser usar esse tipo de calções vou dizer-lhe que, primeiro, ela terá de ir de cuecas para a rua. Se conseguir ir de cuecas, então poderá usar esses calções…

Mas há quem considere esse tipo de calções uma peça bem sexy.
Para mim é mais sexy o que não se vê do que aquilo que se vê…

(VEJA EM BAIXO UMA SELEÇÃO DOS LOOKS DE JORGE CORRULA)


artigo do parceiro: Top Fama

Comentários