Os 10 lugares mais mágicos (e irreais) do mundo

Entre florestas, jardins e castelos, a revista Condé Nast Traveler reuniu 20 lugares incríveis que mais parecem saídos de um conto de fadas. Nós escolhemos aqueles que não deve deixar de visitar durante a sua vida.

Colmar, Alsácia (França)

Classificado como a capital do vinho da Alsácia, Colmar é um verdadeiro encanto não só para a boca como para os olhos. As casas coloridas, os canais e os canteiros de flores espalhados pelas ruas fazem de Colmar o sítio ideal para passar um fim de semana romântico.

Parque de flores de Ashikaga (Japão)

Chamam-se glicínias e são consideradas uma das maiores atrações do Parque de flores de Ashikaga, localizado no Japão. Estas plantas trepadeiras, semelhantes a árvores de grande dimensão, destacam-se pelos cachos compridos que podem atingir os 30 cm de comprimento. As flores desta planta, originária do Japão, podem variar entre o branco, o rosa e o lilás.

Rakotz Brücke, Kromlau (Alemanha)

Para poder ver a Rakotz Brücke, também conhecida como 'a ponte do diabo', tem de se deslocar até ao Parque Kromlauer, na Alemanha. Acredita-se que a ponte foi mandada construir em 1860 por Friedrich Herrmann Rötschke, cavaleiro de Kromlau. Atualmente o acesso está vedado, não sendo possível fazer a travessia a pé.

Angel Oak, Charleston (EUA)

Com 20 metros de altura, a Angel Oak destaca-se pelos seus ramos compridos sendo considerada uma atração imperdível para quem visita o Angel Oak Park perto de Charleston, na Carolina do Sul. Apesar de não haver consenso, há quem diga que este carvalho tem mais 1.500 anos tornando-o num dos mais antigos dos Estados Unidos.

Reed Flute Cave, Guilin (China)

Se acha que a Reed Flute é uma gruta como as outras, desengane-se. Localizada perto de Guilin, uma das particularidades deste local são as luzes artificiais coloridas projetadas nas estalactites, estalagmites e formações rochosas que podem admiradas pelos visitantes. Acredita-se que a Reed Flute, com 240 metros de profundidade, tem mais de 180 milhões de anos.

Castelo de Hohenzollern, Bisingen (Alemanha)

Localizado a 855 metros de altura, o Hohenzollern poderia ser o lar de uma princesa dos contos de fada. Apesar de não haver consenso, acredita-se que o castelo foi mandado edificar durante o século XI tendo ficado praticamente destruído em 1423. Ao longos dos séculos o Hohenzollern passou por diversas transformações, sendo de louvar o trabalho do rei Frederick William IV da Prússia responsável pela reconstrução do castelo que conhecemos hoje.

Túnel do Amor, Klevan (Ucrânia)

O famoso Túnel do Amor não passa de uma linha de comboio que, com o passar do tempo, ficou completamente coberta por árvores e pela vegetação circundante. Localizado na cidade de Klevan, este é considerado um dos locais mais românticos da Ucrânia visitado por milhares de turistas e casais apaixonados.

Foresta de Hallerbos, Halle (Bélgica)

É impossível ficar indiferente à beleza da Hallerbos, também conhecida como a Floresta Azul. Este nome deve-se à Bluebell, uma flor azul ou roxa, que cresce nesta zona da Bélgica durante a primavera. Se visitar a Floresta de Hallerbos não se admire se, pelo caminho, encontrar coelhos ou veados.

The Dark Hedges (Irlanda do Norte)

Localizado na Irlanda do Norte, o Dark Hedges é uma estrada que se destaca pelas árvores plantadas ao longo da sua extensão a pedido da Família Stuart de forma a impressionar todos aqueles que se aproximavam da Mansão Gracehil. Os ramos compridos dão a sensação que as árvores estão entrelaçadas umas nas outras, sendo um local visualmente apelativo para quem por ali passa.

Longleat Hedge Maze, Wiltshire (Inglaterra)

O labirinto foi mandado construir em 1975 no interior da propriedade Longleat House, que até recentemente foi a residência dos Marqueses de Bath. Com quase três quilómetros, detém o título de 'Labirinto mais comprido do mundo' destacando-se pelas seis pontes, becos e torre central que podem ser explorados ao longo da visita. Ao todo são precisos entre dois a três meses para aparar as sebes que o compõem.

Comentários