Roupa para a prática de sexo virtual já é uma realidade

Seja bem-vindo ao futuro da sexualidade. O primeiro fato masturbatório criado por uma empresa japonesa já foi posto à venda. E esgotou num ápice!

Roupa para a prática de sexo virtual já é uma realidade

A sexualidade de amanhã já é uma realidade… hoje! A empresa japonesa Tenga produziu um fato tecnológico que combina um capacete de realidade virtual com seios palpáveis falsos e uma manga robótica de masturbação num mecanismo que, assegura a companhia, torna a masturbação «mais fácil e real», já que se faz acompanhar de animações. A manga robótica colocada na parte inferior abriga o pénis, deixando as mãos livres para os seios falsos.

Este fato é projetado para que, quem o use, possa escolher o seu próprio jogo sexual. A primeira aventura disponibilizada tem o nome «Sexy Beach», mas a ideia é fazê-lo funcionar em encontros cibernéticos, com pessoas que o utilizador pode ou não conhecer. A roupa tem, ainda, alças e sensores que enviam impulsos para o corpo do utilizador, fazendo-o sentir-se tocado e acariciado em todo o corpo.

O preço do Illusion VR, como foi batizado pela empresa fabricante de brinquedos sexuais, ronda os 528 dólares australianos, pouco mais de 350 euros. Os primeiros exemplares produzidos esgotaram pouco depois de chegar ao mercado. Numa conferência de apresentação no final de 2015, antes do produto ser lançado, a companhia desafiou vários voluntários a testar o dispositivo ao vivo.

«Eu acho que, no futuro, a realidade virtual será mais real do que o verdadeiro sexo que fazemos atualmente», assegura Tsuneki Sato, CEO da Tenga. «Somos o futuro da masturbação. É o nosso slogan empresarial», acrescenta ainda. Entretanto, na internet, já estão disponíveis vários vídeos demonstrativos da nova criação japonesa.

Texto: Eva Falcão e Luis Batista Gonçalves

 

artigo do parceiro:

Comentários