O relacionamento acabou, mas e as lembranças materiais?

Toda a gente já passou ou conhece alguém que já tenha passado por o fim de um relacionamento. Há todo um processo de aprendizagem, de amadurecimento no entanto, há sempre a questão de lembranças e recordações palpáveis que nem sempre se sabe ao certo que destino lhes dar.

Se para uns é fácil num momento penoso rasgar tudo, para outros é algo a que se agarram acabando por criando ainda mais angústia. Tudo depende da maneira como o relacionamento terminou e nem sempre rasgar tudo é a melhor opção, até porque durante um período de tempo foi feliz com outra pessoa e essas coisas podem tornar-se boas recordações. No entanto, quando se inicia um outro relacionamento, há pessoas que optam por esconder essas lembranças do novo parceiro, há outros que guardam porque no íntimo têm remorsos ou arrependimentos e ainda há quem tenha terminado e continue com a esperança que volte um dia.

Quando termina de forma amigável, independentemente das pessoas ficarem amigas é normal que, não havendo ressentimentos nem mágoa, as lembranças sejam guardadas numa caixa e refaçam sua vida. No entanto, também pode ser sinónimo de ainda estar preso a algum tipo de sentimento, ou seja, caso note algum tipo de desconforto relativamente a deitar fora alguma coisa é porque a “limpeza” ainda não foi feita totalmente. Por vezes desapegar-se das coisas ou deixar de olhar para elas com frequência é sinónimo que já superou a separação.

Conforme referido acima, guardar lembranças pode muito bem ser uma forma de criar expetativas futuras, ainda que inconscientemente. Coisas do género “dávamo-nos tão bem... se convidar para um café pode ser que aceite” vão começar a palpitar na sua cabeça e tão depressa não vão desaparecer, uma vez que está constantemente a alimentar. Poderá dar por si a olhar para a caixa quando se sente só ou mais deprimido e a remoer histórias do passado. O ideal para esquecer de vez é colocar de lado coisas que o façam lembrar constantemente o que passou.

As lembranças também podem contribuir por algum género de comparação, caso esteja a iniciar um novo romance. Pode dar-se o caso de tentar repetir determinados comportamentos, momentos e atitudes que resultavam com o ex ou esperar que o novo faça as mesmas coisas que o anterior. Esqueça! Cada caso é um caso e os relacionamentos não são exceção. Cada pessoa tem a sua maneira de ser e consoante issso você vai gostar ou não. Hábitos, comportamentos, atitudes, enfim... toda a relação vai ser diferente e novas lembranças irão surgir.

Caso esteja num novo relacionamento também deve ter em conta outro aspeto: referir ou não a existência da 'caixa'. Uma coisa é esta ser algo que cada um tem em casa, mas se for preciso nunca mais pegaram nela e aceitam como algo normal porque está sarado. Por outro lado, a omissão propositada faz logo parecer que tem algo a esconder. Não faça aos outros aquilo que não gosta que lhe façam, já para não falar que se continua assim tão apegado a fotos, postais, o que seja, pode querer dizer algo. O casal recente deve decidir o que consideram ou não saudável para o rumo da relação.

Pondere e reflita acerca do assunto. Se for algo que guarda, mas nem sequer tem o hábito de olhar nem que seja de vez em quando é uma coisa, mas se tem a necessidade de volta e meia debruçar os olhos sobre as coisas... bem, provavelmente sabe a resposta.

artigo do parceiro:

Comentários