O homem que abraça livros

Trabalha como encadernador desde jovem. Vencer obstáculos tornou-se motivador.
créditos: Pedro Loureiro

Quinze livros de Eça de Queirós empilhados no balcão aguardam a vez. Ilídio olha para as obras do escritor português com tranquilidade. Poderia ser homem para desconfortos e nervosismos, mas não é. «A minha cliente ofereceu a coleção toda à filha e sou eu quem a está a encadernar».

Proprietário de um espaço especializado em encadernações, no Bairro Alto, Lisboa, Ilídio António, 65 anos, tem os olhos numa outra tarefa: o restauro de um livro com insígnia real. «Esta obra pertence à “Colecção dos Documentos, Estatutos e Memórias da Academia Real da História Portuguesa”. O meu cliente quer a encadernação fiel à época».

O peso e o número de folhas da obra são dignos de respeito, mas nem isso intimida Ilídio. «Isto é trabalho para durar uma semana», atira bem-disposto o profissional, enquanto vira o livro auxiliando-se do próprio peito.

Portador de uma doença física congénita – nasceu sem antebraço esquerdo – escolheu ser encadernador, diz, por amor à arte. «Faço todo o género de encadernações de livros, pastas de processos. O que me dá mais gozo é fazer encadernação em pele e restauros. Tem de se ter muita paciência, mas eu gosto muito».

Natural da Chamusca, distrito de Santarém, tinha 13 anos quando em 1966 se mudou para Lisboa para ingressar na Associação para Recuperação dos Deficientes de Mobilidade. «Uma pessoa conhecida dos patrões dos meus pais falou-lhes da escola e recomendou que eu fosse estudar para Alfama».

A deficiência e os sonhos

Em menino, e já homem, Ilídio António nunca permitiu que a deficiência tivesse voz ou lhe moldasse os sonhos. «A minha deficiência é de nascença. Sempre me conheci assim e, portanto, não estranho... No meu íntimo não sinto limitação». Ilídio sempre foi rapaz destemido com vontade de vencer na vida. «Eu corto um bife, descasco batatas, conduzo, jogo às cartas. Faço tudo o que faz uma pessoa vulgar», explica o encadernador profissional que, desde 1980, tem portas abertas na Rua da Vinha, N.º 13A, em Lisboa.

De segunda a sábado, desloca-se da sua residência na Pontinha, concelho de Odivelas, até à baixa lisboeta para cumprir mais um dia de trabalho. Faz questão de entregar os trabalhos finalizados. «Ainda esta manhã, antes de vir para aqui, fui levar dois sacões cheios de livros. Eram sacos bem pesados e eu subi até ao quinto andar». A condução nunca foi motivo de receios acrescidos. «Nunca senti medo de andar na estrada, já fiz uns bons milhares de quilómetros. Tive uns quatro carros».

Na estrada e na vida a deficiência física nunca o perturbou. Foi, desde sempre, uma criança ativa e um jovem otimista. «Quando era novo até costumava cavar a terra, sempre fiz de tudo! No meu interior e no meu pensamento, não me sinto diminuído em nada. Não me sinto inferiorizado».

Comentários